Estoirou

Publicado em , por Pedro Couto e Santos

No dia 12 de Novembro entrei de licença de paternidade. A minha última licença de paternidade de sempre, já que não planeio ter mais filhos. A casa virada do avesso, muitas coisas para comprar (pouco dinheiro…), muito para organizar, limpar e arrumar.

Antes de me retirar, recebi vários conselhos, nomeadamente que descansasse, aproveitasse para pensar nalgumas coisas, pusesse as ideias em ordem.

Nada disto aconteceu.

Estou na última semana do mês de licença, dia 13 volto ao trabalho, mas algures ali entre a primeira e a segunda semana, estoirei. Aliás, estoirámos os dois.

Nos primeiros dias conseguimos fazer muita coisa. Apesar de tudo, a casa já se parece muito menos com um armazém desorganizado e mais com um apartamento onde vivem pessoas. Carregámos com muitos móveis, transportámos muitas caixas, fizemos compras diversas, montámos candeeiros e cortinados, mas este ano deu-nos cabo do coiro e neste momento somos ambos uma massa razoavelmente parecida com um ser humano, mas praticamente incapaz de fazer as coisas que os seres humanos normalmente fazem.

Não houve momentos para descansar, pensar em coisas e por ideias em ordem.

Desta, a minha última licença paternal, levo sono, cansaço e desorientação. Sempre que pisco os olhos, há uma pequena festa dentro da minha cabeça – são os meus neurónios que pensam que vou dormir. Depois, quando os abro novamente, uma onda de desilusão.

Já adormeci em diversas ocasiões, a meio de coisas. Com o comando da Playstation na mão, a jogar Castle Crashers para entreter o Tiago, à secretária, à mesa da cozinha, a meio de uma refeição.

Confesso que estou um pouco preocupado com o que vai acontecer a partir de 13 de Dezembro, quando voltar ao trabalho. É que eu precisava mesmo de descansar e começa a parecer-me que tal não vai ser possível na próxima década.

Quase todas as noites adormeço ao lado do Tiago, antes dele e agora estou acordado – esforço sobre-humano – à espera que passe mais algum tempo para lhe ir medir a temperatura e saber se a febre voltou a subir ou se posso ir para a cama.

Se tudo correr bem, a Joana só acorda duas vezes durante a noite (linda menina), mas se tiver o nariz entupido, como tem sido caso, acordará mais. Se tudo correr bem, as minhas (novas) vizinhas histéricas não farão muito barulho às duas da manhã que é, aparentemente, a hora a que gostam de dar risinhos e gritinhos daqueles que dão mau nome a todo o género feminino.

Um gajo pensa sempre que nunca vai ser daqueles que adormecem ao volante. Acha sempre que isso é perfeitamente evitável e que nem faz sentido. E depois, começa a adormecer a meio de uma frase sem sequer dar por isso e percebe que de facto, adormecer ao volante… é fácil.

8 Comentários

Tags

Actifry

Publicado em , por Pedro Couto e Santos

Já há algum tempo que andava com vontade de experimentar uma Actifry que me tinha sido aconselhada vivamente. Depois de ter uma Bimby emprestada e ter feito uns testes e uma review, ocorreu-me que ninguém melhor para me emprestar uma Actifry do que a própria Tefal.

Enviei então um e-mail para o fabricante solicitando um aparelho para testar.

Vários meses depois recebi a – esperada – resposta negativa. Agradeci, com sinceridade e compreendo a posição da Tefal. Em contrapartida, não posso deixar de pensar que se eu tivesse dito que era jornalista da Visão a querer escrever uma peça sobre a fritadeira, ter-me-iam facultado um exemplar de cada um dos modelos no mercado.

Avançando.

Uma das triagens que foi necessário fazer na mudança de casa foi a das panelas: as que serviam para indução vieram, as que não serviam, ficaram.

A nossa fritadeira não servia, pelo que foi para o lixo. Criou-se assim a oportunidade ideal para trocar uma fritadeira de imersão por uma Actifry.

Comprei-a pouco depois da mudança, a meio de Outubro e agora que já a tenho há quase dois meses, já coleccionei experiências (e respectivas fotos), suficientes para escrever sobre este aparelho.

A Actifry existe em três modelos: a normal, a gourmand e a family. O preço é ascendente: a primeira custa 229 euros, a segunda, 249 e a terceira custa 279.

As diferenças são as seguintes: a Actifry normal faz 1 kg de batatas fritas, a Actifry Gourmand faz 1 kg de batatas fritas… mas é preta e a Actifry Family faz 1,5 kg de batatas fritas.

A única outra diferença da normal para a gourmand, além da cor, é o livro de receitas que traz mais variedade de pratos. Tirando isso, que se arranja facilmente na net, a Tefal cobra mais 20 euros pela cor.

A preta até ficava melhor na minha cozinha, mas este tipo de manobra irrita-me de tal forma que comprei a branca.

O que é, afinal, a Actifry?

A Actifry é uma fritadeira que cozinha com uma fracção quase insignificante do óleo normalmente usado para fritar por imersão.

Para fritadeira, a Actifry é cara; a própria Tefal tem uma por 80 euros, a Philips, uma por 100 e há outras marcas com fritadeiras à volta dos 50 euros.

No entanto, todas estas fritam por imersão em óleo, que é onde a Actifry decididamente marca a diferença.

A Actifry frita fazendo circular ar quente enquanto remexe lentamente os alimentos, usando apenas uma colher de óleo (vem com uma colher-medida, mas digamos que é uma colher de sopa).

Esta forma de cozinhar permite fazer alimentos que normalmente seriam cozinhados por imersão, bem como fritos usualmente feitos na frigideira, ou salteados. Evidentemente, as fritadeiras eléctricas concorrentes apenas permitem fritar por imersão.

Vêem-se muitas comparações da Actifry com a Bimby, mas são aparelhos essencialmente diferentes e não se pode dizer que a primeira custa um quinto da segunda sem se ter em conta que a Actifry não tem balança, não tem picadora, não tem múltiplos acessórios, etc.

No entanto posso desde já adiantar que gostei de toda a comida que fiz na Actifry até agora e o mesmo não pode ser dito da minha experiência com a Bimby.

[myads]

A máquina

A Actifry é ampla e parece bem construída, excepto a grelha de ventilação atrás que vinha partida quando a comprei (claro que troquei por uma nova), e que é de um plástico diferente do resto do aparelho.

É uma máquina simples e os componentes principais desmontam-se e lavam-se na máquina, incluindo a tampa.

Os dois botões centrais abrem a tampa (são dois que têm que ser pressionados simultaneamente por uma questão de segurança), a pega da cuba principal é retráctil e a pá que remexe os alimentos desencaixa.

No topo, está uma das partes menos bem conseguidas da fritadeira: o temporizador. A máquina não arranca se não seleccionarmos um tempo de cozedura – o que me parece sensato, para quem tem tendência a deixar as máquinas ligadas e esquecer-se delas, queimando a comida – mas quando o tempo chega ao fim, a Actifry não se desliga.

Isto é, no mínimo, estranho. A máquina apita, mas continua a cozinhar.

Funções

Bom, a Actifry não tem um manancial de funções como a Bimby, o que não é de espantar porque, como já disse, não é o mesmo tipo de máquina.

No entanto, é aqui que acho que a comparação de valores pode fazer algum sentido. A Bimby tem inúmeras funções, sim e é um aparelho mais complexo, sem dúvida e que custa cinco vezes mais, já sabemos. Mas, com a sua simplicidade e função única, a Actifry já me proporcionou mais refeições saborosas do que a Bimby, no tempo em que a tive em casa.

A comida

Como a Actifry é primordialmente uma fritadeira de batatas, digo-vos já o que acho das batatas. São fantásticas.

Tendo em conta que ainda não tive tempo, nem paciência para ir comprar batatinhas, descascar batatinhas, cortar batatinhas e fritar batatinhas, apenas usei batatas congeladas (btw, McCain), mas como congeladas é o que costumamos comer cá em casa, foi muito fácil fazer uma comparação.

As batatas congeladas são pré-fritas, pelo que podem fazer-se na Actifry sem adicionar óleo. Podem, mas não devem. Ficam comestíveis, mas com um sabor estranho que creio ter a ver com o óleo onde são pré-fritas. Com a colherinha de óleo Fula ficam muito melhores e também muito melhores do que fritas por imersão.

Os tempos de fritura da Actifry assustam qualquer um: 45 minutos para fritar batatas. Ouch! Mas o que não se percebe logo é que são precisos 45 minutos para fritar 1 kg de batatas!

Uma dose suficiente para três, cá em casa (para depois o Tiago deixar as dele todas já que deve ser a única criança de 3 anos do Universo que não come batatas fritas), fica pronta em cerca de 20 minutos.

Se fizermos as contas a quanto tempo demora a aquecer o óleo a 180 graus e depois a fritar as batatas, se calhar a Actifry ainda assim demora mais, mas não muito mais e o resultado é compensador.

As batatas ficam tostadinhas nas pontas, molinhas no meio, mesmo como eu gosto e quando se mordem, em vez de estarem ensopadas em óleo, estão sequinhas.

Mas nem só de batatas fritas vive o homem e a Actifry vem com um pequeno livro de receitas (o tal que é maior na edição gourmand), das mais variadas comidas e na net encontram-se muitas mais, geralmente escritas por senhoras que também têm uma Bimby, como esta.

Para confirmar que a Actifry serve, efectivamente, para fazer outras coisas, decidi experimentar vários pratos. Ao contrário da Bimby, em que segui o livro oficial, com resultados desastrosos, tudo o que fiz na Actifry foi improvisado por mim.

Fiz castanhas, camarões com Martini e azeitonas, almôndegas e perninhas de frango com sementes de sésamo, bifes de peru recheados e Texas cheese fries – embora isso sejam apenas mais batatas fritas :-)

Correu tudo bem e os resultados foram mesmo por vezes surpreendentes. As perninhas de frango, por exemplo, pensei que tivessem ficado uma porcaria, mas fiquei espantado quando vi o Tiago, que mal costuma jantar, a devorar duas, sem parar para respirar.

Cozinhar com a Actifry é simples: basta colocar os ingredientes, decidir se se acrescenta gordura ou não, programar o tempo e ligar. Em qualquer altura, é possível abrir a fritadeira, mexer nas coisas, acrescentar algo e voltar a fechar para terminar a fritura.

Uma das coisas que gosto na Actifry é que mistura muito bem os alimentos com os temperos, provavelmente por demorar algum tempo e ir mexendo lentamente as coisas. Uma das coisas que menos gosto, porém, é que a pá, apesar de curva e suave, desfaz alguns alimentos.

Também não aconselho a que se cozinhe coisas com queijo, como os bifes de peru recheados que eu fiz e cujo queijo derreteu e ficou por todo o lado. Foi chato lavar aquilo, se bem que, verdade seja dita, pudesse ter ido à máquina.

Finalmente, existe um risco das coisas na Actifry ficarem um bocadinho secas. Foi o que aconteceu com as almôndegas, portanto convém ter isso em atenção e compensar devidamente, na receita.

Almôndegas na Actifry

As almôndegas, temperadas com sal, pimenta, alho e óregãos, dentro da Actifry

Temporizador da Actifry

A parte mais fracota da Actifry, o temporizador

Almôndegas na Actifry

As almôndegas a cozinhar, são revolvidas pela pá da Actifry que desfez uma ou duas, mas a maioria ficou intacta

Almôndegas na Actifry

As 28 almôndegas ficaram prontas em 15 minutos

Molho de tomate para almôndegas feitas na Actifry

Entretanto, fiz um molho de tomate à parte.

Almôndegas feitas na Actifry colocadas no molho

As almôndegas ainda passaram pelo molho mais cinco minutos

Resultado final das almôndegas feitas na Actifry

On top of spaghetti, All covered with cheese, I lost my poor meatball, When somebody sneezed!

As almôndegas ficaram boas, mas um pouco secas, coisa que o molho ajudou a compensar.

Para fazer frango, comprei umas pernas a que tirei a pele e temperei com alho, molho de soja, óregãos, sal, pimenta e sementes de sésamo que se agarraram facilmente à carne.

Pernas de frango prontas para ir para a Actifry

As perninhas, temperadinhas

Perna de frango frito na Actifry

O resultado final, acompanhado de macarrão com mozzarella

Ficou óptimo e não acrescentei qualquer gordura ao frango, assim como já tinha acontecido com as almôndegas.

E finalmente, tenho fotos das Texas Cheese Fries, uma entrada deliciosa que costumo comer no Chili’s e que tentei emular em casa com sucesso considerável.

Para as fazer, comprei batatas congeladas ‘steakhouse’ do Pingo Doce, que temperei com sal grosso, pimenta preta e alho em pó e fritei na Actifry durante 25 minutos.

Nos últimos 5 minutos, aqueci o forno a 300 graus e grelhei tirinhas de bacon.

Depois de prontas as batatas, transferi-as para um tabuleiro, deitei o bacon por cima e cobri com mozzarella ralado. Meti no forno até o queijo derreter e depois adicionei jalapeños às rodelas e comi. Estava bom.

Os jalapeños também podem ir antes e entrar também no forno, para ficarem mais sequinhos.

Batatas na Actifry

As batatas vão para dentro da Actifry com sal grosso, alho em pó e pimenta preta

Batatas feitas na Actifry

Ao fim de 25 minutos, saltaram para um tabuleiro de ir ao forno

Batatas feitas na Actifry

O bacon, ingrediente que torna tudo melhor

Batatas feitas na Actifry

O resultado final, ainda sem jalapeños

Conclusão

A Actifry parece-me ter sido uma boa compra, mesmo que apenas a use para fritar batatas. O facto de usar quase óleo nenhum pode parecer quase insignificante à medida que a usamos e nos esquecemos como costumávamos fazer fritos.

A fritura por imersão é chata, o óleo queima rapidamente, ou fica cheio de detritos, não é fácil de deitar fora, as fritadeiras são extremamente difíceis de lavar e muitas delas acabam mesmo por ficar incrustadas de gordura que simplesmente não sai, a comida fica muito gordurosa, etc.

Mas a comida frita sabe bem e com a Actifry continua a saber bem, mas pode cozinhar-se apenas com uma colher de óleo que nunca é reutilizado.

Além disso, a Actifry permite fritar outros alimentos sem a vigilância constante que este tipo de confecção normalmente implica e com resultados bastante aceitáveis.

Não gosto particularmente do preço, creio que a Tefal devia apontar aos 199 euros, quebrando a barreira mental dos 200 e provavelmente venderia Actifries como pãezinhos quentes (ou batatas fritas), aqueles 29 euros a mais no preço criam alguma hesitação e os 20 que separam a normal da gourmand chegam a ser ridículos, mas pronto, isso já é a lei do mercado.

A máquina é um pouco grande, ocupando praticamente “uma unidade” de bancada, isto é, quase tanto como uma placa, portanto convém ter espaço para ela, mas isto é normal em qualquer fritadeira eléctrica.

Não vejo a Actifry como um aparelho que me poupe tempo, nem sequer um que me ajudasse a cozinhar se eu não soubesse, aliás, basta ver que tudo o que lá fiz saiu da minha cabeça e não de livros de receitas.

Vejo-a como uma máquina que me simplifica um bocadinho a vida, permitindo-me fritar coisas sem as vigiar muito de perto e também como um aparelho que me dá o prazer de comer fritos, sem todas as implicações de saúde que as fritadeiras tradicionais apresentam.

Portanto, eu diria que vale a pena ter uma, embora aconselhasse vivamente a Tefal a descer o preço apenas 30 euros. A menos, claro, que a objectivo da marca seja outro.

Vantagens:

  • Fácil de usar
  • Lava-se toda na máquina
  • A comida fica saborosa e mais saudável (do que métodos alternativos)
  • Não deita vapores nem cheiros desagradáveis
  • Frita com quantidades mínimas de gordura
  • Razoavelmente versátil

Desvantagens:

  • O preço podia ser um nadinha mais convidativo
  • Faz algum ruído (ventilador), mas nada do outro mundo
  • Não se podem adicionar líquidos em quantidade (tipo sopa)
  • Para maiores quantidades de alimentos, os tempos de confecção são longos

67 Comentários

Tags

Deixem-me em paz!

Publicado em , por Pedro Couto e Santos

Nove da noite, os putos a dormir e eu a preparar-me para deitar as unhas ao GT5 quando tocam à porta.

Era a polícia.

Parece que um útil membro da nossa sociedade decidiu escaqueirar-me um vidro do carro, remexer as minhas coisas e ir-se embora sem levar nada.

Na altura praticamente nem reagi. Fui a casa buscar os documento e segui os agentes até à esquadra do Pragal para apresentar queixa.

“Serve de alguma coisa?”, perguntei eu.

“Pelo menos serve para não dizerem que Portugal é um país de brandos costumes…”, respondeu o polícia. E só com isso convenceu-me.

A PSP foi impecável, sugeriram-me que deixasse o carro à porta da esquadra durante a noite, para minorar as hipóteses de acontecer mais alguma coisa. Foram simpáticos, úteis, prestáveis e no fim, depois da papelada preenchida, ainda me deram boleia para casa.

Nunca me tinham assaltado o carro antes, se bem que, verdade seja dita, dantes eu tinha garagem.

Como um mal nunca vem só, claro, desatou a chover e choveu a noite toda. Dentro do carro, obviamente.

De manhã, tive que levar o Tiago à escola a pé, à chuva, antes de ir ao Pragal buscar o carro.

Seguiu-se uma visita à Sulcarvidro, na zona industrial do Feijó para encomendar um novo vidro que chegará amanhã.

Por causa de um anormal que provavelmente tem a capacidade intelectual de um quadrado de queijo e que merece passar o resto dos dias a comer trinca de arroz do chão de uma estrebaria, foi o meu filho para a escola a apanhar chuva, fui eu para a esquadra passar duas horas em vez de estar em casa calmamente a divertir-me que bem preciso, vou ter que pagar um vidro novo, gastando pelo menos duas manhãs com o processo (e dinheiro, claro, porque a seguradora só cobre vidros partidos por alterações térmicas, acidentes cósmicos ou telequinese).

Esse espécime sub-humano, indigno de sequer andar na mesma rua que eu, quando mais viver no mesmo país, deve ter satisfeito uma qualquer necessidade primária (suspeito que masculina, mas não quero discriminar à toa); terá ficado muito satisfeito por perceber que não havia nada de valor no meu carro – dois pares de óculos escuros razoavelmente antigos, uns carregadores de isqueiro, umas chaves de bocas –  nada que valesse sequer perto dos 80 e tal euros que vou pagar por um vidro novo.

Bom, havia as cadeiras dos miúdos, mas isso não é coisa que se roube nem, aliás, deve ser nada com que a aventesma consiga sequer relacionar-se já que, não tenho dúvidas, que não sabe sequer o que é uma criança, quando mais uma cadeira automóvel para as transportar.

Estes parasitas só não são completamente inúteis para a sociedade porque acredito que dariam excelente estrume para alimentar colheitas ou mesmo canteiros em jardins públicos. E eu, que sou um gajo moderado, fico completamente alterado com coisas destas, com estes consumidores de oxigénio com pernas que interferem na vida dos outros, que agem impunes, causando danos, transtornos, incómodos com um acto simples e completamente inútil mostrando uma estupidez assoberbante e convencendo-me que, de facto, eu, como muita gente, me levanto de manhã e vou trabalhar todos os dias, para pagar os impostos que servem para pagar subsídios e rendimentos a estes animais.

Dá-me uma extrema-direitite aguda, aqui nos rins  – porque violaram aquilo que é meu, porque invadiram o que me pertence, o carro – apenas uma carcaça – mas onde transporto a minha família, os meus filhos e que acaba por ser uma extensão móvel da minha casa; e pior ainda porque nunca vão ser apanhados e se fossem, nunca seriam, como deviam, fechados numa sala sozinhos com o Mr. Blonde.

"Ever listen to K Billy's 'Super Sounds of the 70s'?... It's my personal favorite."

E sim, eu sei que é um contra-senso usar um criminoso psicopata ficcional para ilustrar a ideia do vingador do criminoso, ranhoso, manhoso, merdoso da vida real que me partiu um vidro e sim, é só um vidro e sim, há milhares de militares nas favelas do Rio e gente com fome em África e provavelmente muitos considerandos e atenuantes e muitas facetas e vertentes e variantes à Nacional 10, mas a verdade é que eu… só quero… QUE ME DEIXEM EM PAZ!

13 Comentários

Tags

Fim de semana cheio

Publicado em , por Pedro Couto e Santos

Este foi um fim de semana em cheio, sobretudo para o Tiago que há muito tempo que anda a passar os ditos fechado em casa a aturar os pais.

No Sábado, já estava ele a apagar, com sono, saímos para ir à festa de aniversário do seu maior amigo lá da escola, o Eddie.

O Eddie e o Tiago são uma instituição, neste momento, sempre que alguém se aproxima gritam-lhe “Eddietiago!”, pumba, marca registada. Nos dias em que o Eddie não aparece na escola, o Tiago fica preocupado e é a primeira coisa que me diz quando o vou buscar.

O Tiago protestou, foi complicado vesti-lo e adormeceu nos 5 minutos de viagem de carro até à festa, mas depois, assim que viu o amigo, tudo se dissipou e esteve duas horas imparável a brincar.

Depois, seguimos para casa da minha tia Bela para festejar o seu aniversário. A Joana demorou um bocadinho a aceitar que não ia para a caminha às sete da tarde como gosta, mas lá acabou por adormecer e ainda ficámos um bocado, com o Tiago no sofá a ver um filme enquanto os crescidos jantavam.

No dia seguinte, foi a vez dos avós maternos levarem o Tiago para dar uma volta e brincar lá em casa. Mais uma vez, voltou exausto, já praticamente não jantou, limitou-se a lavar os dentes, tomar banho e adormecer quase assim que caiu à cama.

Ele fica quase insuportável quando está com sono, mas é bom vê-lo cansado por uma boa causa. Ando a planear levá-lo ao cimo do Cristo Rei para ver a ponte, duas coisas que ele vê aqui da janela e que provavelmente nem imagina que se podem ver de perto.

2 Comentários

Tags

Hoje fiz chili outra vez

Publicado em , por Pedro Couto e Santos

Por incrível que pareça, quando procuro no blog pela minha primeira receita de ‘chili con carne‘, reparo que a dita foi escrita há mais de seis anos, em Julho de 2004. Como o tempo passa.

Depois de andar a fazer experiências científicas para fazer recheio de tacos para o Codebits (a história toda há-de aparecer cá no blog em português, mas aqui está o que escrevi para o blog do CB, em inglês), e de ter cozinhado Nuclear Tacos para cento e tal pessoas, fiquei com vontade de fazer uma boa e velha panela de chili.

O chili e o recheio de tacos que faço é diferente, embora seja mais ou menos a mesma coisa, o chili é lentamente cozido numa panela com Guinness, enquanto a carne para os tacos foi apenas rapidamente frita e depois comida com queijo e vegetais frescos.

Desta vez queria fazer um chili mais soft, a puxar mais pelo sabor e menos pelo picante. Já me é um bocadinho difícil escrever uma receita daquilo porque basicamente vou fazendo e provando até estar bom e é tudo feito a olho.

No entanto, como algumas pessoas pediram, aqui vai uma espécie de receita:

Ingredientes:

  • Carne picada
  • Óleo
  • 4 dentes de alho
  • 1 cebola
  • Sal
  • Pimenta preta
  • Meio pimento vermelho
  • 4 malaguetas grandes
  • 1 Guinness
  • 1 lata pequena de tomate pelado em pedaços
  • Uns pezinhos de salsa
  • Paprika
  • Cominhos
  • Pimenta Cayenne
  • Piri-piri em pó
  • Vinagre de sidra
  • 1 lata pequena de feijão encarnado

Isto não tem ciência nenhuma: a carne é frita antes de ser cozida. Para isso, deita-se numa frigideira com um bocadinho de óleo quente (ou azeite, se preferirem, ou manteiga, ou até mesmo gordura de bacon… hum, para a próxima já sei), e alho picado.

Deita-se sal na carne, claro e mói-se um bocado de pimenta preta lá para cima também. Frita-se bem a carne, até estar bem solta e castanha, depois deita-se numa panela e junta-se a cebola cortada em bocados, fatias ou o que preferirem – eu gosto de pedaços grandes de cebola, portanto não a corto muito.

Deita-se lá para dentro o tomate e respectiva polpa e mistura-se bem. Juntam-se as malaguetas cortadinhas (sem desperdiçar sementes), o meio pimento às tiras, salsa picada, os cominhos (eu prefiro comprar sementes e esmagar com uma colher, deitam muito mais cheiro do que os que se compram já moídos) e um bocado de paprika por cima para avermelhar a coisa.

Depois, como não quis fazer uma coisa demasiado picante e já lá tinha as quatro malaguetas, pus uma colher de sobremesa de pimenta Cayenne e outra de piri-piri em pó, apenas, mas aqui é com cada um e o ideal para obter sabores interessantes é misturar picantes diferentes. Depois de tudo muito bem misturado, prova-se para ver se está equilibradinho ou se precisa de mais alguma coisa – eu adicionei mais sal e um bocado simpático de vinagre de sidra.

Agora está pronto para o ingrediente mágico: Guinness lá para dentro e segue-se a parte fácil: deixar cozer, tapado, durante o tempo que vos apetecer. Uma hora, mínimo. Duas, três ou quatro… conforme a paciência que tiverem. Quanto mais tempo, mais apurado. O meu cozeu duas horas.

No final, deita-se a lata de feijão lá para dentro e cozinha-se mais quinze minutos.

Aconselho a comer com ‘chips’ de milho mexicanas – há diversas marcas e variantes nos super-mercados e arroz branco.

Ficou tão bom que a minha mulher poderá confirmar que no final do jantar lhe perguntei se seria ilegal casar-me comigo mesmo.

7 Comentários

Tags

Estoirou

Publicado em , por Pedro Couto e Santos

No dia 12 de Novembro entrei de licença de paternidade. A minha última licença de paternidade de sempre, já que não planeio ter mais filhos. A casa virada do avesso, muitas coisas para comprar (pouco dinheiro…), muito para organizar, limpar e arrumar. Antes de me retirar, recebi vários conselhos, nomeadamente que descansasse, aproveitasse para pensar […]

Ler o resto

Actifry

Publicado em , por Pedro Couto e Santos

Já há algum tempo que andava com vontade de experimentar uma Actifry que me tinha sido aconselhada vivamente. Depois de ter uma Bimby emprestada e ter feito uns testes e uma review, ocorreu-me que ninguém melhor para me emprestar uma Actifry do que a própria Tefal. Enviei então um e-mail para o fabricante solicitando um […]

Ler o resto

Deixem-me em paz!

Publicado em , por Pedro Couto e Santos

Nove da noite, os putos a dormir e eu a preparar-me para deitar as unhas ao GT5 quando tocam à porta. Era a polícia. Parece que um útil membro da nossa sociedade decidiu escaqueirar-me um vidro do carro, remexer as minhas coisas e ir-se embora sem levar nada. Na altura praticamente nem reagi. Fui a […]

Ler o resto

Fim de semana cheio

Publicado em , por Pedro Couto e Santos

Este foi um fim de semana em cheio, sobretudo para o Tiago que há muito tempo que anda a passar os ditos fechado em casa a aturar os pais. No Sábado, já estava ele a apagar, com sono, saímos para ir à festa de aniversário do seu maior amigo lá da escola, o Eddie. O […]

Ler o resto

Hoje fiz chili outra vez

Publicado em , por Pedro Couto e Santos

Por incrível que pareça, quando procuro no blog pela minha primeira receita de ‘chili con carne‘, reparo que a dita foi escrita há mais de seis anos, em Julho de 2004. Como o tempo passa. Depois de andar a fazer experiências científicas para fazer recheio de tacos para o Codebits (a história toda há-de aparecer […]

Ler o resto

Redes de Camaradas

 
Facebook
Twitter
Instagram