Macacos sem galho

Bimby, uma semana

Publicado em , por Pedro Couto e Santos

Passou uma semana desde que tenho uma Bimby por empréstimo cá em casa. Ainda não fiz tudo o que queria fazer com ela, mas de cada vez que a uso, a minha opinião vai-se cristalizando.

A primeira impressão não foi particularmente boa, mas a maioria dos problemas eram relacionados com más receitas que vêm no chamado livro-base.

Donos de Bimbies (é este o plural de Bimby?), insistiram para que experimentasse este ou aquele prato especial, aquele que é “o” prato a fazer na Bimby. No entanto, as sugestões roçavam todas o mesmo, ou seja, nada que dê um jantar: caipirinhas, sorvete, granizado, sumos ou doces, como o leite creme.

Fiz leite creme. E fiz suspiros. E ficou bom, mas deixem-me dizer o seguinte: é difícil juntar leite, claras, ovos e açúcar e não fazer algo bom. Aliás, se eu misturar agora mesmo ovos com açúcar e um pouco de leite, nem precisa de ir ao lume que fica bom.

O que eu esperava de uma Bimby

Até agora, a Bimby não é, decididamente, o que eu estava à espera.

O que eu estava à espera, e que me foi dado a entender que a Bimby é, era de uma máquina para onde se atiravam ingredientes, rapidamente descascados e sem ser preciso sequer partir muito, se escolhiam umas temperaturas, tempos e velocidades e, “do outro lado”, saia comida feita.

Mais: a Bimby vem com um livro de receitas simples e rápidas. E mesmo com outras receitas a Bimby é simples e rápida a fazer comida boa.

Podia esmiuçar estes conceitos todos, mas acho que nem vale a pena e, sinceramente, também não vale a pena dizerem-me que tive azar, que não percebi a Bimby ou que a culpa é do clima. Os dois parágrafos anteriores descrevem, grosso modo, aquilo que me tem vindo a ser transmitido pelos donos de Bimbies desde que oiço falar da máquina e praticamente nada se concretizou na experiência que tive com ela.

A minha mulher não cozinha, se o conseguir evitar; não gosta, não é uma coisa que lhe dê gozo e portanto algo que cumprisse o que a Bimby promete seria o ideal para ela ter o jantar pronto para os miúdos todos os dias a horas decentes. Este foi o principal papel que a Bimby falhou em concretizar.

Mas vejamos em maior detalhe:

A máquina

A Bimby é uma máquina grande e pesada. Nada de espantar, tendo em conta que tem múltiplas funções e necessita de um espaço com volume suficiente para cozinhar uma refeição para, pelo menos, quatro pessoas.

É muito fácil de usar, com comandos grandes e bem legendados que parecem ainda estar bem protegidos contra infiltrações de líquidos. O painel LCD e os avisos sonoros certificam-se que o utilizador está sempre informado do que se está a passar.

O aparelho é composto de uma base onde está alojado o motor, os comandos, a balança e o foco de indução magnética, um copo onde se colocam os alimentos, respectiva tampa, uma lâmina quadrupla, uma espátula, um cesto para cozer alimentos sem serem atingidos pela lâmina e outro para os cozer a vapor, em cima do copo. Finalmente, há uma “borboleta” de plástico que serve para bater claras em castelo, por exemplo.

Não achei a máquina particularmente robusta e abana por todo o lado nas velocidades mais altas. Como é emprestada, se calhar estava mais ansioso do que o costume e se fosse minha se calhar não me preocupava, mas a verdade é que houve alturas em que me perguntei se aquilo realmente aguentaria muito mais tempo na velocidade 9.

Funções

A Bimby é o que se chama um robot de cozinha, termo bastante infeliz para quem, como eu, cresceu a ler contos do Asimov. Um verdadeiro robot de cozinha seria um andróide de avental que vai buscar os alimentos, prepara-os e faz uma refeição, tudo sem magoar ou por inacção permitir que um humano se magoe.

O que é óptimo, porque se pensarmos bem, a comida teria que ser sempre excelente e ao gosto do humano, caso contrário iria contra as leis da robótica.

Mas pronto, é um robot de cozinha porque tem múltiplas funções e as ditas são:

Balança; como balança, a Bimby funciona. Não tem nada de especial, apesar dos donos da Bimbies parecerem achar especial o facto da balança fazer reset após cada ingrediente para pesar o próximo—isto é uma função vulgar de qualquer balança. Next.

Picadora; como picadora a Bimby é muito competente e creio mesmo ser esta a melhor de todas as funções da máquina. As lâminas parecem ser particularmente boas e o motor bastante potente e equipado com um potenciómetro com 10 velocidades, marcha-atrás e turbo, é possível cortar alimentos, picá-los, estraçalhá-los e mesmo vaporizá-los completamente e com a “marcha-atrás” é possível apenas mexer a comida enquanto cozinha.

Batedeira; a Bimby também é uma boa batedeira, pelas mesmas razões que é uma boa picadora, no entanto, a “nota final” (mais abaixo), aplica-se particularmente à função de batedeira.

Panela; como panela a Bimby simula o conjunto panela + placa de indução, aquecendo rapidamente e mantendo, com facilidade, a mesma temperatura. Isto impede que os alimentos queimem e peguem ao fundo. Infelizmente, também impede que ganhem sabor. Por alguma razão um bom churrasco na brasa sabe tão bem: é que as brasas estão quentes.

Portanto, como panela, a Bimby é boa para cozer comida. Se forem principalmente adeptos de fritos, grelhados ou assados, a Bimby não faz. Prepara, para depois se cozinharem noutros aparelhos, mas não faz sozinha.

Cozedora de vapor; não sei o que dizer sobre a Bimby como aparelho de cozer a vapor. A razão é simples: detesto comida cozida a vapor e portanto, não experimentei. Suponho que seja competente, já que faz vapor com facilidade e o faz sair pelo topo do copo para o compartimento acessório de cozer a vapor.

Nota final (cá está ela): Nas funções que envolvem colocar alimentos no copo e usar as lâminas, a Bimby tem, para mim, um grande defeito: é uma chatice tirar coisas lá de dentro.

As lâminas estão montadas de tal forma que os alimentos ficam enrolados no eixo ou comprimidos por baixo das pás. Por exemplo, quando fiz almôndegas, a receita dizia para colocar x pés de salsa e depois de picar tudo, junto com a carne, dei com parte significativa da salsa enroladinha no eixo, por picar.

Como referi, como batedeira, esta chatice triplica: é que numa batedeira normal, eu bato tudo no recipiente e no fim, levanto as varinhas que vão para lavar e despejo a massa com ajuda de um salazar. Na Bimby, as lâminas estão no caminho e dificultam à brava a operação. No entanto, não posso desmontar as lâminas para ajudar, porque aí fico com um buraco no fundo do copo.

A comida

Já falei de comida no post anterior. É verdade que ainda não experimentei receitas “minhas”, sem ser do livro-base. Mas também é verdade que quanto mais uso a Bimby menos percebo para que serve. Não consigo, de forma óbvia e rápida, descortinar as suas vantagens na preparação de comida.

Em duas ocasiões, a comida veio por fora. Já me garantiram que isso nunca acontece, pelos vistos, só me aconteceu a mim, mas eu não fiz nada senão seguir receitas oficiais.

Creio que aconteceu porque eu não estava a vigiar, mas… eu não estava a vigiar porque essa é suposto ser uma das vantagens da Bimby.

Para cozinhar tenho panelas e até posso comprar das baratas porque fazem o mesmo do que as caras e quando me farto delas vão para o lixo e compro novas.

Raramente pico coisas na picadora… porque haveria de começar agora? Cebola, alho e salsa pico com a faca e até compreendo que fosse melhor com a Bimby, embora o ideal da simplificação, para mim, fosse não ter que pegar na faca de todo, mas como continuo a ter que descascar e cortar em pedaços os vegetais… então dou mais um passo e pico-os à mão.

Para passar sopas, tenho uma excelente varinha mágica Braun que nunca me deixou ficar mal e faz cremes em poucos minutos, tal como a Bimby.

E para cozer comida… bom… sinceramente, comida cozida não está no topo da minha lista de preferências gastronómicas. Gosto muito de grelhados, na brasa então upa, upa; não adoro fritos, mas prefiro a cozidos e os assados também vêm antes destes na lista de preferências.

Claro que gosto de cozidos, à portuguesa, por exemplo; ou de feijoada, ervilhas com ovos ou mesmo chili con carne, mas aí é que não vejo mesmo vantagem na Bimby: são comidas de atirar coisas para panelas e esperar que seja Sábado. E aí, não é precisa a pressa que a velocidade da Bimby oferece, pelo contrário: quanto mais tempo o ragú estiver ao lume, melhor fica.

A máquina parece ser boa a fazer doces, de facto. A coisa mistura bem, o “lume” brando necessário para algumas confecções mais delicadas é fácil de controlar e no fim, há maiores probabilidades de correr tudo bem com receitas mais complicadas.

Mas… eu não quero fazer doces. Assim como assim, deu-me muito trabalhinho chegar aos 37 sem barriga, não tenho qualquer desejo de ter em casa uma máquina sensacional para fazer baba de camelo e estragar tudo.

E é assim que concluo:

Principais vantagens da Bimby

  • Se foi oferecida, será certamente prática para fazer sopa, doces e refeições completas, desde que se atine com receitas que se goste;
  • Se tudo correr bem e escolhendo as receitas certas, pode chegar-se ao fim com uma refeição pronta e tendo apenas o copo da Bimby para lavar. Acredito que, com prática e conhecendo bem a máquina, esta se torne a maior vantagem: jantar feito e nada de loiça para lavar;
  • Não havendo azares, há períodos de alguns minutos em que podemos ir à nossa vida e depois a Bimby apita quando estiver pronta.
  • Como mencionou o Eduardo nos comentários, substituindo vários electrodomésticos e podendo estar sempre na bancada à espera de ser usada, a Bimby é prática porque ocupa menos espaço do que todos os electrodomésticos que substitui juntos e lá está, suja menos “loiça”.

Principais desvantagens da Bimby

  • É caríssima. Deixem-me sublinhar bem este tema porque parece fugir à compreensão de muita gente: a Bimby custa um testículo¹ de massa. Creio que o único electrodoméstico que pretendo comprar que custa mais do que uma Bimby é um frigorífico americano; todos os outros que tenho são mais baratos e isto inclui: máquina de lavar loiça, máquina de lavar roupa, secador de roupa, placa de indução magnética, forno pirolítico, esquentador ventilado, exaustor, aspirador manual, aspirador robótico, micro-ondas, etc. Nada disto foi mais caro que uma Bimby.
  • Cheira “mal”. Não sei se a que usei é nova demais e depois perde o cheiro, mas enquanto cozinhei com ela, cheirou-me sempre mais ao plástico da máquina e algo mais que creio ser o motor, do que à comida. Não é um cheiro hediondo, mas está lá e, sinceramente, quando cozinho, o cheirinho da comida é suposto ser uma das partes boas.
  • Faz barulho. Acima da velocidade 3, a máquina já faz um barulho considerável e quando apita é irritante sobretudo porque não pára de apitar até lá irmos desligá-la.
  • Não deslumbra. Pois. Depois de tanta conversa, de um seguimento quase religioso dos chamados “Bimbólicos” que a tratam por “a nossa menina” em foruns pela net fora e custando o que custa, I wanted nothing short of culinary orgasm. Em vez disso, tive um gigantesco “meh”.

Finalmente

A minha reacção é mesmo essa: meh. Bah. Ou bof, como se diria nos países francófonos.

A Bimby não me convenceu, mas também não é uma porcaria. Não vou tornar-me ferrenhamente anti-Bimby, mas não consigo descortinar as suas vantagens—não consigo imaginar a minha vida com uma Bimby como sendo muito melhor.

Mas o busílis é esse. É que quem tem uma Bimby tece-lhe tamanhos encómios que fico claramente convencido que a Vorwerk, criadora do aparelho, tem nas mãos algo com o efeito Apple.

Qualquer pessoa que use computadores há anos suficientes sabe perfeitamente que um Macintosh não apresenta diferenças nem vantagens suficientes em relação a qualquer outro computador de hardware semelhante que justifiquem que custe o dobro, mas também sabe que há ali “algo”, o factor Apple, um bocadinho extra que se calhar também tem a ver com querer pertencer ao clube dos ‘cool kids’.

Sim, a Bimby faz muitas coisas. Mas não sei se dava sequer 500 euros por ela, sinceramente. Não me entusiasmou, não me simplificou a vida e não me maravilhou com as suas capacidades impressionantes.

Até a pulverizar açúcar, uma das coisas que costuma impressionar, a mim, sinceramente, só me fez pensar quem é que ia limpar a porcaria da nuvem de açúcar que me encheu a cozinha.

Em suma, na minha demanda por organização culinária, passei pela Bimby com a promessa de uma solução, mas encontrei mais do mesmo: a organização depende de mim e enquanto eu não encontrar uma fórmula, posso usar uma debulhadora industrial ou um campingaz com uma marmita de estanho que o resultado será o mesmo.

Não sei se ainda faço mais experiências com a Bimby. Mas para mim o veredicto já está selado: não preciso de uma e não consigo descortinar onde é que a máquina vale mil euros.

Se forem contemplados com a oferta de uma, acredito que lhe darão bom uso, mas a barreira do valor é o que estraga tudo para mim, no que toca a ‘value for money’ a Bimby deita tudo a perder.

¹ Colhão

Tags

. . . . . . . . .

Deixar comentário. Permalink.

66 Responses to “Bimby, uma semana”

  1. Dextro says:

    E mais, como tu tão bem disseste no twitter, se é para ter algo muito bom a triturar arranja-se uma Total Blender da Blendtec que ao menos é d’homem! :D

  2. Eduardo says:

    Dude :) Eu não sei o tamanho da tua cozinha, mas não tenho espaço para ter sempre à mão uma balança, panela, cozedora a vapor, picadeira e batedeira.

    Dá-lhe esse crédito :)

  3. jpalhais says:

    e a seguir mete-se a bimby lá dentro…

  4. Nelito Carrapito says:

    Will a bimby blend??

    eu tenho uma e cada vez a uso menos. isso é um ponto negativo. o cheiro/sabor é uma coisa que se mantem para sempre.

    o maior ponto positivo: é a rapidez e comodidade com que fazes tudo num só aparelho. naquelas festas de anos onde ocupas o forno com uma perna de borrego para jantar, conseguires fazer 2 entradas, 2 sumos de fruta, 2 sobremesas e mais uns mimos na maquineta é obra.

    o maior ponto negativo: tudo o que lá fizeres… vai saber a bimby!

  5. Boa review. Mas a minha Bimby não deixa qualquer resíduo de cheiro ou sabor estranho na comida, e eu sou particularmente sensível a isso. Há aqui mais malta a queixar-se disso, vejam lá é se as vossas máquinas estão em condições.

  6. Pedro

    Qualquer uma das bimbas (plural de bimby) que param lá por casa não deita qualquer cheiro estranho ao fazer a comida – isso é muito estranho.

    (and btw, uma das coisas que gosto mais naquilo é o facto de poderes ir à tua vida enquanto a comida é feita – as lâminas giratorias vão garantir que aquela porra não fica agarrada ao “tacho”)

    conselho de amigo: foge do livro de receitas base. procura nas interwebs que há uma data de pessoal a partilhar .pdf dos livros oficiais com receitas testadas e afinadas pelas senhoras da worwerk.

  7. Caraças! Que maduro que tu estás, meu filho! Pois é, a organização depende de nós e não do facto de termos, ou não, uma Bimby, um Bambi, ou um Bimbo. Também gostei do teu comentário à Apple e aos “cool kids”. Com a idade, há tantas coisas que deixam de ter a importância capital que têm aos 20 e aos 30 anos e aproximamo-nos, cada vez vez mais do conceito alargado do Einstein: tudo é relativo…

  8. Pedro Rebelo says:

    E pronto. Está tudo dito. Este homem tem assim como que uma forma simples de colocar as coisas… Bem, simples, a seu modo, numa quantidade de linhas mas… Está dito, está dito.

    Se é para a usar duas vezes por semana, uma senhora simpática e com jeito para a cozinha, a 6 euros à hora, 2 horas de cada vez, dá quase para um ano de culinária 5 estrelas… Isto contas feitas assim à papo-seco que eu não sou de matemáticas…

    E sim, picar por picar, pico a cebola com a faca que sempre é mais fácil de lavar que a picadora…

  9. já te começava a pagar pelas análises!

  10. Bino says:

    Ok confesso que não tive pachorra para ler o post até ao fim. A certo ponto surpreendi-me a pensar o seguinte: se um dia, em vez duma Bimby, vieres a ser utilizador duma bonequinha de borracha, dessas com buraquinhos, a experiência dará azo a um post tão detalhado como este ?

    PS. entretanto aconselho-te e tentar na Bimby a magnífica receita, frango à Roberto ;) um abraço e desculpa a paródia.

  11. Sara says:

    Vejo que maior parte dos comentários foram feitos por gajos!!! interessante! Como gaja e gaja que gosta muito de cozinhar – tivera eu mais tempo/dinheiro e eram festas culinárias cá em casa todos os dias! – e sim, marido ia chegar aos 37 com mta barriga!! como dizia, como gaja que gosta de cozinhar, concordo quase a 100% com o teu post! A minha bimby foi oferecida por uma tia, como prenda de casamento! Sorte, certo?! talvez….quando a recebi, ha 7 anos atras (a minha ainda n é toda xpto como a que experimentaste – não tenho a marcha-atras que dificulta o arroz doce (que a minha mãe faz na panela em “3 minutos” e fica tão mais delicioso! – fiquei maravilhada e pensei que não tendo mta loiça pra lavar e tendo refeições completas ali feitas que iria ganhar imenso pra fazer outras coisas….na verdade devo usa-la uma vez por ano, 3 no maximo!! :)
    Quando o meu esposo partiu a tampa e ela foi a arranjar, ate achei que ganhara espaço na cozinha!!!! Crime, né?
    Na verdade os mil euros que ela custou ter-me-iam feito mto mais jeito – sem ser ingrata nem desdenhar tamanha prenda – para comprar moveis cá para casa! :) Não atinei bem com o tamanho do bicho e nem as sopas que vêm no livro base me apaixonaram, por todas elas começarem com refogados…pouco saudável na minha opinião!
    E sim, feijoadas de sábado são mesmo na panela com todo o tempo do mundo! :)
    E também eu, tendo amigas mega fãs da bimby, não entendo tal fanatismo e entusiasmo!
    No final de uma refeição não me incomoda por aí além lavar três panelas -que o resto vai à maquina! :)

    • Sara, deves ser das primeiras donas de Bimby que faz um comentário deste género. De resto só tenho sido abordado por donos de Bimbies a dizer-me que não a sei usar, que não sei os truques, que tenho que fazer x, y ou z às receitas, que eu não gosto é de cozinhar porque se gostasse, gostava da Bimby, etc, etc.

      Ontem voltei a usar a Bimby, para fazer lulas guisadas, e no fim fiquei novamente a coçar a cabeça: porque é que eu não fiz aquilo numa panela, mesmo?

      • Como o marido que partiu a tampa e sabendo que o período de tempo que foi entre o momento em que partir e que alguém nos convenceu a arranjar e que ficou efectivamente arranjado, e finalmente o zero de sentimento de ansiedade por te-la de volta, culminando no facto dela ter vindo do arranjo num saco de plástico azul que ficou na entrada da casa uns belos meses diz que ……

        … we didn’t get it :D Tipo, eu semi percebo o conceito, mas a pratica é toda uma desilusão :) – as coisas que compramos valem pelo que usamos, a nossa Bimby saiu extremamente cara, admito que hajam pessoas que lhe dão uso regular e ai sim, sai-lhes barato

        But we are not worthy :)

        • É exactamente esse o sentimento que tenho. E eu sou um geek de gadgets do mais alto nível. A Bimby simplesmente não me dá gozo. Pelo contrário, acho que até me causa algum stress – não sei bem porquê, pode ser só por ser emprestada, mas há algo ali que não encaixa.

          Oh well… :-)

  12. Filipa says:

    Também sempre achei demasiado amigas minhas dizerem-me que não há como a Bimby, faz tudo. E o “tudo” espremido é lasagnas, quiches,(comida passada, quase toda) e sobremesas fantásticas que eu não tenho por hábito fazer a menos que o rei faça anos. Sumos e caipirinhas?! A sério, todos os dias?!
    Cozer a vapor? Coloco tacho no fogão a cozer as batatas e por cima do tacho num daqueles utensílios com furinhos que nunca decorei o nome, coloco os brócolos au vapor, mais simples que isto?
    Resumindo,concordo, com os tais Eur 1000 o tudo que faz não basta nem pouco mais ou menos.

  13. gaja sem bimby says:

    a bimby é pra gajas burras.

  14. Joaquim Guerra says:

    Obrigado por partilhares esses teus posts comigo. Realmente não estava convencido e ainda fiquei menos.

  15. Joaquim says:

    Tenho de discordar dos posts aqui feitos a maioria por homens.
    A Bimby tem vantagens. Dizem que nao percebem bem quais. Posso enumerar algumas.
    Tempo, esforco, facilidade, sabor, saudavel, suporte, limpeza.
    A Bimby às vezes é referida como uma faz-tudo, a Bimby nao é uma faz tudo. Mas as vantagens sao inumeras.
    No tempo. Já contaram quanto tempo demoram a tirar uma balanca, arranjar um recipiente para por na balanca, arrumar a balanca, limpar o recipiente se foi algo que a sujou? Na Bimby atira-se pra dentro do copo e pesa automaticamente. Sem perdas tempo.
    Se quiser fazer maionese, manteiga, brigadeiros, um inúmero de pequenas coisas que a esmagadora maioria de nós nao sabe fazer, nao tenho de perder tempo a procurar como. Está no livro de receitas da Bimby. Atira-se as coisas lá para dentro e já está. Dir-me-ao, sim mas as receitas sao simples. E respondo eu, sim quando se sabe fazer é tudo simples. E depois mesmo algo que nao esteja no livro há muitas receitas na internet. Que vem à questao do suporte.
    Forums cá e no estrangeiro nao faltam com invencoes de pessoas. O que torna a vida simples.
    No esforco, disse um que gosta de cortar as cebolas com a faca. Deveria ser como eu que do outro lado da casa sei se cortaram uma cebola, desde pequeno nunca os meus olhos aguentaram as cebolas. Na bimby atira-se a cebola lá para dentro 5 segundos e já está. Cortada aos pedaços num instante e sem me incomodar os olhos.
    Depois o sabor, muitas receitas que já fiz na bimby saíram com muito mais sabor que comidas similares feitas pela minha mae. Muita gente nao tem nocao mas faz aquilo q em ingles se diz over-cook, cozer as coisas demais que lhes retira sabor. Nunca gostei de puré para mim sempre foi uma coisa pesada e sem sabor, pois na Bimby saiu cheio de sabor. O mesmo por ex para comidas com tomate cozido. E porquê? A Bimby nunca ultrapassa os 110º, quanto mais baixa a temperatura mais saudavel e mais mantém o sabor, e num fogao o normal é metermos tudo a 180º ou mais sem o sabermos.
    E sim há a questao de panelas e tachos que se sujam, e na Bimby a limpeza é bastante maior na grande maioria das receitas.
    A vantagem pode ainda ser maior para alguém que simplesmente nao saiba cozinhar, ou tenha a mania que saiba e n sabe como a minha mae.
    Resumindo a Bimby é uma máquina que reúne várias funcoes, poupa efecticamente tempo todos os dias, funciona por inducao o que é economicamente melhor, as receitas q faz saem com mais e melhor sabor, sempre que algo está pronto apita no entretanto podemos fazer outra coisa qualquer, e além de robusta tem boa qualidade nos promenores por exemplo os desenhos sao protegidos por plástico ou sejam nao se gastam com o tempo.
    Vale o dinheiro? É discutível. Faz tudo? Nao. Se a utilizo? Hell ya.
    Quem nao ve vantanges na Bimby provavelmente nunca cozinhou sem Bimby, nao cozinhou mais que 2 ou 3x com a Bimby ou ambas.

    • Joaquim, claramente há aí um problema qualquer com os cozinhados da sua mãe, não me leve a mal, mas achei graça :-)

      Eu não defendo que a Bimby não tenha vantagens, mas parece-me de facto exageradamente cara para o que faz. E, claro, o que escrevo sobre a Bimby, escrevo-o do meu ponto de vista: sei e gosto de cozinhar e não senti que a Bimby me ajudasse particularmente em nenhuma das fases da confecção de comida.

      Quanto ao sabor, também não consigo concordar, tudo o que fiz na Bimby me pareceu menos saboroso, pelo simples facto de que cozinha pouco tempo. O que chama ‘over cooking’, bem feito, chama-se ‘apurado’ e é o que dá a pratos tradicionais como os cozidos, os molhos de carne ou os guisados o sabor intenso que os caracteriza.

      Claro que quem vê vantagem na Bimby, deve, sem hesitar, comprar uma.

  16. Filipa says:

    Acho que ninguém quer tirar os créditos atribuídos à Bimby por quem acha que a máquina os merece. Acontece apenas que nem todos nós achamos o mesmo.

    Para mim não é nenhum “drama” tirar a balança do armário para pesar qualquer coisa e depois ter que a lavar, como para outros picar a cebola à mão não lhes faz confusão nenhuma. Maionese, manteiga etc duvido que muitos (alguns) daqui façam em casa, não pelo trabalho/receita, mas porque apenas é daquelas coisas que é mais fácil comprar e que se gasta pouco comparado com outros alimentos.

    As opiniões aqui resumem-se a que para alguns a Bimby ainda que com esses atributos todos(que para uns são essenciais para outros esse facilitismo todo é muito discutível), não vale a pena ou não convence.

    Quando baixarem o preço(para bem menos de metade) se calhar até compramos todos, ah,ah.

  17. Joaquim says:

    Pedro Couto os meus parabéns por nao precisar da Bimby, a vantagem principal da Bimby é a poupanca de tempo (tanto na confeccao como limpeza), a 2ª é ajudar quem nao sabe cozinhar, se tem tempo a mais e sabe cozinhar tao bem a Bimby provavelmente nao é para si.
    Sobre comidas bem ou mal passadas, nao tem de haver concenso por isso é que uns gostam dos bifes mal passados e outros bem passados. Genericamente considero que quanto mais cozinhado um alimento mais perde o seu sabor. Por exemplo para mim cenoura cozida nao sabe a nada, mas crua gosto.
    Uma comida bem apurada nao tem nada a ver com cozida demais q é o q signifa overcooked. O apurar é termo q se usa em cozinhar para retirar o excesso de água da comida, deixando um sabor mais intenso.
    Aqui em casa a Bimby pareceu-me ser um electrodomestico interessante devido à inabilidade da minha mae em cozinhar bem, e na verdade para quem trabalha, considero que meia hora de poupanca de tempo todos os dias para quem esta fora de casa 10 horas faz toda a diferenca.
    Ainda de experiencia pessoal das 1ªs vezes q a minha mae utilizou dizia mal como tudo pq era uma coisa muito complicada para ela tantos botoes, agora que ja percebeu q a Bimby é basicamente uma maquina de atirar as coisas lá para dentro já gosta.
    Ter tempo para cozinhar bem é um luxo que pouca gente tem, e nesse enquadramento a Bimby é uma máquina que faz todo o sentido.

    • Joaquim, também passo, não 10, mas 12 horas fora de casa todos os dias e dar-me-ia muito jeito que a Bimby fizesse o meu estilo e me ajudasse na cozinha, infelizmente não foi essa a conclusão que tirei de a usar.

      Outros, tirarão as suas conclusões e farão muito bem.

      Quanto a apurar vs. sobre-cozinhar, claramente houve um mal entendido, o que eu quis dizer foi que os meus cozinhados favoritos são aqueles que ficam na panela quatro horas; não só não perdem qualquer sabor como, muito pelo contrário, ficam extremamente saborosos.

    • P.A. says:

      “meia hora de poupanca de tempo todos os dias”? Então, definitivamente, não sabe cozinhar!

  18. Joaquim says:

    Pois mas lá está, esses cozinhados de que gosta, levam muita água de inicio e sao feitos em lume brando, exactamente uma das coisas que leva os cozinhados da Bimby a terem sabor, sao feitos no máximo a 110º, quando uma pessoa normal cozinha a temperaturas acima disso como no exemplo que dei do puré.
    As minhas comidas favoritas também nenhuma ainda é da Bimby, mas o que é que normalmente se vê nas casas de familia na cidade. Mandam vir da telepizza, ou fritam salsichas, nuggets, todo o tipo de porcaria, e com a Bimby alguns deles talvez cozinhem porque nao demora tanto tempo, nem precisam saber tanto de cozinha.

  19. Nuno Barreto says:

    Tenho uma Bimby há pouco mais de uma semana. A minha opinião é exactamente a mesma que a tua. O que vale é que a minha foi oferecida, nunca daria 1000 euros por uma Bimby. Não vale o dinheiro. Mas que pode ser prática, lá isso pode ser.

    Já fiz várias receitas do livro base, e nenhuma delas saiu bem como devia, segui as instruções à risca, mas as receitas estão todas mal feitas. Têm sempre gordura a mais, e ou ficam demasiado aguadas ou demasiado secas. Ou tenho tido muito azar, ou o livro base é bom para jogar para o lixo. Mas pronto, isso não é defeito da Bimby.

    A minha conclusão é que a Bimby é boa se for oferecida, e é boa para fazer aquelas coisas chatas de fazer, como molho bechamel, ou papas de milho. E legumes ao vapor, que é algo que gosto bastante. Coisas para usar depois em receitas a sério, ou para acompanhar. De resto, sim sumos e cocktails tb é bom.

  20. ana says:

    Olá,
    Li os posts sobre a Bimby “de fio a pavio” e queria deixar-lhe o meu agradecimento. Não que estivesse exactamente tentada a comprar uma – 1000€ por um robot de cozinha é rocambolesco, mas estava muito curiosa com a forma como o tal “bicho” funciona.
    Está de parabéns pela sua review: metódica e bastante completa, veio retirar as minhas dúvidas. Ou melhor, veio confirmar as minhas suspeitas.
    Já há muito que havia desistido de perguntar a qualquer “bimbólico” – nunca achei que nenhum conseguisse ser honesto acerca dos defeitos da maquineta, depois de dispender tal quantia na sua compra.

  21. Maria says:

    Vou ter uma demonstração em breve e foi muito bom ler este post nesta altura, tenho as mesmas dúvidas e opinião que tem.

  22. Joaquim says:

    Passados quase 2 anos desde a minha contribuicao a ideia da minha mae sobre a Bimby ja se alterou. Antes dizia que era muito complicada mas agora já gosta dela. E ja faz uma ou outra vez por ela mesmo coisas na bimby.
    Como disse acho que a bimby é uma máquina util numa cozinha, o preço dela nova é um bocado over-priced, mas por ex em 2ª mao pode compensar principalmente para pessoas ou que nao sabem cozinhar bem ou que têm pouco tempo para estar na cozinha.
    Posso dizer que ja surpreendi a namorada com brigadeiros feitos de manhã e foram feitos na bimby se n fosse ela n os teria feito. E ficaram muito bons.
    É uma máquina boa para certas coisas

  23. Li says:

    A minha mãe anda com o desejo de comprar uma, espero francamente que isso passe. Ela é uma excelente cozinheira e com muita experiência de restaurante. Geralmente cozinha três refeições ao mesmo tempo no fogão, ficam todas saborosas e duvido que face à agilidade que já tem para fazer 3 pratos em menos de 1 hora, fosse achar este robot particularmente útil.
    Da minha parte procuro um retorno ao tradicional, não tenho paciencia para maquinas de fazer pão e outras coisas sofisticadas… nada me dá mais alegria do que cortar ingredientes e preparar alguma coisa, que mesmo não sendo 100% saborosa, sei o que tem lá dentro.
    Vou mostrar isto à minha mãe para a tentar desmotivar… o que não falta aqui é tralha que não se utiliza. Obrigada pela review.

  24. Carla Daniela says:

    Acredito que a Bimby é como o Microondas. Quando foi lançado, fazia tudo… era só colocar as coisas lá dentro e ele cozinhava sozinho em pouco tempo,sem precisar de fogão, panelas… tinha uma desvantagem … era caríssimo. Hoje em dia, quem não tem um microondas? Mas efectivamente quem é que cozinha nele? O preço é mais do que acessível, mas só aquecemos a comida, o leite e pouco mais.

  25. Filipa Claro says:

    Boa tarde,
    peço desculpa a minha intromissão neste blog, mas custa-me ver que nem todas as pessoas estejam inteiramente informadas no que diz respeito à Bimby.
    Sou agente Bimby e imagino que possa pensar de imediato que estou a “puxar a brasa à minha sardinha”, mas algumas das questões, dúvidas e observações que levantou prendem-se com o facto de quer o senhor ou os seus amigos possivelmente não usufruírem do apoio de uma agente. Primeiro, tinha sido muito fácil e rápido de assimilar o funcionamento da mesma se tivesse assistido a demonstração, e depois de adquirir o agente tem a missão de o acompanhar, ou seja, estar disponível para o ajudar a rentabilizar e utilizar sem dificuldades a sua Bimby, e por fim a própria empresa convida os seus clientes a assistirem de forma gratuita a Aulas de Cozinha que o ensinam mais uma vez a tirar partido de todas as potencialidades da sua Bimby.

    Alguma questão ou dúvida estarei ao seu dispor para o esclarecer,
    Atentamente,

    Filipa Claro

    • Cara Filipa, agradeço a amabilidade. Eu posso não ser chefe de cozinha, mas sei cozinhar bastante bem, todas as semanas confecciono comida para a minha família toda e já tenho cozinhado para família alargada e amigos, com excelentes resultados.

      Não me parece que a questão sejam aulas de cozinha, porque o que sai bem em tachos e panelas, devia sair bem na Bimby. Acima de tudo, as receitas base da Bimby são péssimas e depois, a máquina não me pareceu justificar o dinheiro que custa.

      Como eu disse, tem potencialidades interessantes, mas o preço é ridículo.

      • Filipa Claro says:

        Caro Pedro,
        em jeito de conclusão a este comentário, tenho a dizer-lhe porque não me conhece: também sou uma pessoa que cozinha bastante bem e o meu marido também por acaso, e já o erámos antes de termos uma Bimby.
        Aprendi a cozinhar com a minha avó e a minha mãe, duas cozinheiras de mão cheia, e que sempre “incutiram” em mim esse gosto desde muito nova… ou seja, Cozinhar nunca foi um problema para mim. Quanto à forma como corre um cozinhado nos nossos tachos e na Bimby, o que posso dizer é que senão conhecermos como ela funciona seguramente que é meio caminho andado para o Insucesso da Receita. Em relação às receitas base, tal como eu faço, pois também pelos vistos tem gosto pela cozinha, facilmente adaptará as suas receitas ao funcionamento da Bimby… quando vê uma receita num livro de culinária também faz tal e qual como lá está? Ou dá o seu toque personalizado e adaptado ao seus gostos e da sua família ???
        Quanto à Bimby justificar o seu valor ou não, senão a usar e continuar a ir gastar dinheiro nas mesmas coisas que está habituado a comprar, sem dúvida alguma que nunca na vida irá recuperar o seu investimento.
        Dou-lhe um exemplo muito prático e real (de uma cliente):
        uma família de 3 pessoas, onde se comiam 4 a 5 iogurtes todos os dias , ao fim do mês são uma média de 150 iogurtes, cada um custava-lhe à volta de 0,50 cada um, ou seja gastava 75€ por mês de iogurtes. Adiou durante um ano a aquisição da sua Bimby, e continuou a gastar 75€ durante 12 meses. Ora 75€ x 12 = 900 €, logo ao fim do ano gastou em iogurtes o valor de uma Bimby. Caro ? O que é que é caro para si? Para mim neste caso , CARO É NÃO TER BIMBY.

        Não queria de qualquer modo estar a importuná-lo e não quero que pense que estou a “atacá-lo” só porque tem a sua opinião da Bimby diferente da minha. Somente quis dar o meu contributo para se poderem formar opiniões concisas, coerentes e sobretudo com conhecimento de causa.

  26. Eu says:

    Sobre a Bomby só tenho a dizer:

    – Quem tem ADORA.
    – Quem não tem, ADORA mas não a pode ter (ou não quer), por isso diz mal.

    È de fato um grande electrodoméstico, e como todos, ha que saber usa-lo no maximo das sua potencialidades.

  27. sara correia says:

    eu como DONA e pouco mestra da bimby digo que não a adoro, que simplesmente a tenho porque me ofereceram :) Que não a uso para tudo nem sempre, que desde que mudei de casa ha 1 mês a bicha ta guardada na caixa, e mesmo so tendo 1 frigideira nesta casa, ainda nao senti muita necessidade de a tirar da dita caixa!! :)
    portanto quem tem nem sempre a adora…
    será que quem a tem porque gastou 1000 euros nela tem que a adorar??
    nunca ouvi ninguem dizer muita mal do seu proprio carro, ja do carro do vizinho…

    • Filipa Claro says:

      Olá Boa tarde D.Sara Correia,
      é para mim evidente que ainda não adora a Bimby porque ainda não entendeu as potencialidades da oferta que lhe fizeram. Pergunto-lhe se teve ou tem o apoio técnico de uma agente que lhe tenha explicado como funciona, e como a pode rentabilizar?

      Também não temos que ser extremistas ao ponto de dizer: “agora só vai comer tudo feito na Bimby”; eu também gosto de comer o meu bifinho e a minha batatinha frita de vez em quando.
      Eu encaro a minha Bimby como um investimento, pois com ela passei a poupar tempo e dinheiro e ainda dar-me a possibilidade e à minha família de comer mais saudável.

      • Vês, Sara, ainda não adoras, porque não entendes. Se não fosses burrinha, já adoravas. Ou isso, ou esta senhora vende Bimbies…

        • Filipa Claro says:

          Atenção Sr.Pedro que eu não chamei “burrinha” a ninguém, que isso fique bem entendido. Sou agente Bimby sim senhor, já o tinha referido aqui no blog através de um comentário, e sem qualquer pudor ou esperando obter benefícios. Achei que poderia ser “salutar” a minha opinião, pois sou utilizadora da Bimby há 5 anos e agente somente há 2.

          Antes de ser Agente, sou uma pessoa, uma Mulher e uma Mãe…

          • Filipa, dizer que a Sara ainda não adora a sua Bimby porque ainda não percebe todas as suas potencialidades pode não ser um insulto, mas não anda muito longe. Pior, só mesmo o comentário que diz que quem tem adora e quem não tem também adora, mas como não pode ter, tem inveja. Ridículo.

            Ninguém nega o potencial da Bimby, mas o pior da máquina, não é nenhum dos seus defeitos, é mesmo a espécie de culto que se gerou à sua volta.

  28. Nope says:

    Sinceramente sempre achei a Bimby uma treta e os Bimbolicos um pouco a roçar o religioso dogmático. Mas como o Pedro, sou um geek e achava curiosa a ideia de ter um device que seguindo apenas alguns passos claros me fizesse comida sem ter de lhe dar grande atenção. E há algum apelativo em seguir receitas ultra-precisas, como no site cookingforengineers.com.
    Portanto fui ao site da bimby e pedi uma demonstração porque nao queria ver os meus amigos Bimbolicos a degladiar-se sobre quem ficava com o meu referral para ganhar o brinde.
    Veio uma senhora simpática que de uma assentada fez gelado, limonada, molho bolohonhes e lasanha com pão ralado sem nunca lavar o copo no processo, o que sinceramente achei piada e nao é tão nojento como parece. O segredo esta na ordem em que se faz. Algumas coisas no pitch eram uma tanga. Disseram-me que pouparia muito dinheiro a fazer o meu pão ralado e açúcar em pó, mas depois no supermercado vi os preços e são coisas muito baratas. Depois de ponderar um dia, lá encomendei a maquina (o que teve de ser bem ponderado que ela é cara como a porra).
    Portanto aqui vão as minhas impressores algumas semanas depois de a ter comprado. Acho a maquina robusta, embora as vezes trema bastante ao ponto de parecer que vai levantar voo. Nunca tive problema com cheiros esquisitos como o Pedro indica nem nunca entornei nada (o truque é por o corpinho medidor a tapar e nunca encher acima da marca que lá esta). Uma coisa que me faz confusão é as receitas terem tempo, temperatura e velocidade e os comandos da maquina serem: temperatura, tempo e velocidade, o que faz com que as vezes me engane. A maquina pica bem tudo desde que nao seja uma papa grossa tipo carne picada. Ai abre so um buraco na carne e nao amassa. Dizem que e melhor estar congelada, mas nao me parece muito pratico. Supostamente faz massas mas é uma treta a fazê-la. Fica tudo as bolinhas. A minha maquina de fazer pão faz massa mil vezes melhor. E sim, é uma chata do caraças no final de cozinhar em que apita sem parar. A mulher da Bimby disse-me que podia deixar a fazer coisas e ir as compras mas temo que se o fizesse e a maquina entretanto acabasse o cozinhado, os meus vizinhos me pegassem fogo a casa.
    Já experimentei uma serie de pratos, desde peixe cozido, a sopa, a rolo de carne e alguns bolos e ficaram todos OK, nao por culpa da maquina mas mais das receitas que raramente mencionam seasoning. Mas ficaram bastante decentes. Nao, nao uso o maquina todos os dias, mas uso com alguma regularidade e ate agora estou satisfeito. Acho que acaba por me motivar mais a fazer pratos diferentes e isso já é bom.

  29. hugo says:

    vale a pena ou nao ??
    a minha mulher ate e uma artista da cozinha e tem tempo com fartura , acham que vale a pena investir?

    • Sofia says:

      Se a sua esposa tem tempo com fartura pode ser que se entretenha bastante com a Bimby. Eu, como tenho pouco tempo, uso-a em média uma vez por semana. Dá jeito quando se dá uma festa e fazemos várias sobremesas. Mas não voltaria a gastar tanto dinheiro nesta máquina, pois a verdade é que continuo a cozinhar mais em tachos e a comprar comida fora.

  30. Sofia says:

    Tenho uma Bimby. Gosto dela, dá jeito quando temos que fazer várias sobremesas para uma festa, por. exº. Mas se voltaria a comprar outra? Não. Acho que o preço é exagerado para o uso que depois se dá.

  31. Inês says:

    A Bimby é a patroa e eu a sopeira? Ela fornece-me as receitas, eu vou às compras, preparo e descasco os alimentos para ela protagonizar a “parte” que me dá gozo: COZINHAR? Não me parece… ainda se fosse ao contrário, eu só arregaçar as mangas no momento da confecção…Para quem já desbravou os caminhos da ignorância na cozinha e gosta de pôr amor no que faz acho que a Bimby é dispensável, até porque “atirar” alimentos para dentro dela não me apela, e parece que isso dá algum prazer a quem o faz; desatar a fazer sobremesas e outras habilidades que dispenso também não me assiste… gostei imenso do artigo de opinião do Pedro Couto, é uma moda, sim senhora, com alguns aspectos positivos, quem a tem defende-a, na generalidade, é que ninguém gosta de dizer que deitou 1000€ às urtigas.

Leave a Reply