Mais um ano, mais um punhado de notas

Publicado em , por Pedro Couto e Santos

Saiu recentemente uma lei que define o período em que se deve apresentar um veículo à inspecção periódica obrigatória como os três meses anteriores ao dia da matrícula original.

Isto significa que a data limite para a inspecção passa a ser o aniversário da matrícula do carro.

O meu carro foi matriculado dia 8 de Setembro de 93 e portanto, geralmente, faço a inspecção no mês de Setembro. Desta vez fiquei subitamente com pouco tempo para fazer a inspecção, uma vez que a lei saiu no fim de Agosto e o meu carro passou a ter como prazo para a IPO, o dia 8 de Setembro.

Esse acabou por ser, como já é hábito com o meu carro, o menor dos meus problemas.

Mais um ano passado, mais um chumbo na inspecção: direcção desalinhada e um vidro de trás que não abre.

Mas que raio?! O vidro de trás não abre, de facto… nunca abriu! Nem nunca o mandei arranjar, porque me pareceu desperdício de dinheiro arranjar um vidro que eu nunca precisei de abrir.

Ao que parece, tudo isto conta, na inspecção e, apesar de nunca ter sido notado, este ano o inspector estava a sentir-se zeloso.

Resultado: 300 e tal euros mais IVA só pelo elevador do maldito vidro. Mais a mão de obra, alinhamento de direcção, inspecção e re-inspecção, estou mesmo a ver mais 500 euricos a voarem-me do bolso para o poço sem fim que é o meu querido Mercedes.

Mas, bem feitas as contas, antes 500 ou mil euros que sejam, por ano, naquele carro, do que ficar agarrado a uma mensalidade brutal, depois de uma entrada assassina, para poder comprar um carrito jeitoso.

E eu nem quero nada de horrivelmente caro… um Mitsubishi Lancer 1.5 Invite já me bastava e são só 19 mil e picos euros.

Tags

Deixar comentário. Permalink.

7 comentários a “Mais um ano, mais um punhado de notas”

  1. “só 19 mil e picos”

    qualquer chaço hoje em dia custa um punhado jeitoso de notas.

    em relação aos elevadores, espero que não atrofiem com isso, nunca me chamaram à atenção em relação a isso e tenho 2 deles avariados no Rover, funcionam, mas mal (não se pode abrir mais que um greta, senão quando se fecha o vidro fica desalinhado e não encaixa).

    mas o meu maior problema é mesmo a nível de luzes, todos os anos tenho de ir mandar acertar antes de ir ao IPO, a merda é que depois chumba e tenho de ir acertar de novo, porque aquilo não dura mais de 1 ou 2 dias como deve de ser. enfim.

    mas eu adoro o meu carrão! com 12 anos é que eles são bons… ou isso são so whiskys?

  2. Gus says:

    Fazes bem em manter. Esse carro foi um achado do caraças que normalmente só se ouve falar que o tio do primo do padrinho do gajo que vai ao teu lado no metro é que teve a sorte de “achar”.

    Eu mantinha o carro até ele morrer mesmo ou até ter capacidade de o substituir por algo igualmente fixe….

  3. Tiago, realmente o preço dos carros em Portugal é ridículo. Um Fiat Punto com um nadinha mais de equipamento salta para 18 mil. O Bravo começa em 18 mil, o Lancer também. O Mégane acho que é um bocadinho mais e uma coisa como um Seat Altea (não gosto de Seats, mas aqui vai, como exemplo), começa nos 19 e tal.

    Há carros mais baratos, claro, mas 18/19 mil não são também os mais caros. Carros mais compostinhos vão para os 25/30 mil, ou mais e depois, claro… por aí acima ninguém os pára.

    Gus: eu adoro o meu carro, como sabes. Tenho pena que seja sempre tão caro arranjá-lo, caso contrário mandava-o para a oficina com uma listinha e só o ia buscar quando estivesse tudo arranjado.

  4. Conchita says:

    Pensando por esse prisma, até tens razão, mais vale mesmo 500€ por ano, do que 500€ por mês durante não sei quantos anos!!
    Uma boa semana :)

  5. pachita says:

    Totalmente de acordo. O meu bólide já tem quase 10 anos e continua óptimo. Há tempos partiram-me o retrovisor e custou-me pagar um novo. Também me custou mudar a parte eléctrica do fecho centralizado que teimou em não funcionar. Já gastei alguns aérios no bicho, mas prefiro um milhão de vezes manter o meu chaço do que andar aí a pagar uma prestação absolutamente escandalosa por um carro mais pi pi. Além do mais, para quem vive na cidade como eu, é raro usar o carro. Tomei o gosto aos transportes públicos e não quero outra coisa.

  6. carlos p says:

    Gostaria de esclarecer o meu amigo do mercedes, de que nenhum centro de inspecções chumba um carro só pelo facto de o vidro quer de trás ou da frente nao abrir ou fechar. Se tal aconteceu, foi porque essa anomalia já devia vir mencionada na ficha de inspecção anterior com o Grau 1, e no ano seguinte a mesma anomalia é considerada reincidente passando automáticamente a grau 2 (chumbo). As pessoas têm 1 (um) ano para corrigir todas as anomalias de grau 1, e por vezes por questão de desleixo ou outra razão não o fazem. Mas porque?? Um ano!!! 365 dias !!!? Pois… a culpa é dos inspectores. Só podem estar a gozar com o trabalho deles. Saudações

  7. Caro amigo, garanto-lhe sem sombra de dúvida que a avaria do vidro do meu carro nunca surgiu como anomalia em nenhuma das inspecções.

    Não me sinto, portanto, esclarecido.

Responder a Tiago Farrajota

Redes de Camaradas

 
Facebook
Twitter
Instagram