Almada

Publicado em , por Pedro Couto e Santos

Recebi um comentário do/a (?) “séries de tv” a que ia responder, mas que decidi promover a post, porque acho que vale a pena dizer isto mais visivelmente.

Aqui vai o comentário, a propósito das obras do MST:

“É o que faz morar numa cidade dormitório, se morasses numa cidade como Braga nada disto te aconteceria e olha que Braga é a Silicon Valley tuga”

Antes de mais nada, não me parece educado insultar a cidade das outras pessoas. Suponho que isso possa acontecer pelo facto de viveres numa cidade provinciana, se vivesses numa cidade cosmopolita, nada disto te aconteceria.

Ou Braga não é província? Então talvez Almada não seja dormitório.

Almada é uma cidade em desenvolvimento há muitos anos, sempre em melhoria, mas sempre assombrada com esse rótulo imerecido, de dormitório de Lisboa. Como se Almada não tivesse identidade própria, na sua relação com o Tejo, na sua proximidade com a Costa e na sua vida própria. Almada é provavelmente a maior incubadora de música do país (ainda há pouco tempo, o vocalista dos Da Weasel era meu vizinho do lado), tem um dos mais importantes festivais de teatro (inter)nacionais, tem escolas, negócios, habitações, bairros, um hospital, um castelo, ruas e avenidas e tudo o que as cidades têm e a sua proximidade de Lisboa apenas a torna um sítio mais interessante para morar.

Almada pode não ser uma cidade deslumbrante, mas é uma cidade – não é um dormitório. E mais ainda: é a minha cidade.

[tags]almada[/tags]

Tags

Deixar comentário. Permalink.

18 comentários a “Almada”

  1. Séries TV says:

    Braga ao menos não tem esses putos dredds que assolam essas cidades dormitórios, e sim são cidades dormitórios, autenticas florestas de betão. Tem tudo de bom que Lisboa têm e muito pouco de mau que Lx têm e ao contrário da tua opinião não é uma cidade provinciana. Caso não saibas Braga é a cidade mais antiga do país, é a 3ª cidade do país, capital das empresas de software e sede de uma das mais fortes universidades do país, tem uma história e tradição que Almada nunca alcançará, mas se gostas de Almada ainda bem para ti.

  2. brite says:

    Eu morei 2 anos em Braga. Fui trabalhar para lá por opção, sem conhecer lá ninguém, para assim poder conhecer o norte do país. Gostei muito da cidade em si, tem uma cor e luz próprias que me fazem saudades. Digo cidade em si porque as pessoas de lá me irritavam constantemente com comentários infelizes acerca das «minhas cidades», todas elas na região centro, mas que eram sempre chamadas de «sul» pela maior parte dos bracarenses. Como não tenho sotaque do norte, de que aliás até gosto, perguntavam-me muitas vezes «és de Lisboa?» e eu, incrédula «não, não sou de Lisboa, há mais Portugal onde se fala sem pronúncia do norte!»

    Quando viajo pra fora do país e digo que sou portuguesa perguntam-me também se sou de Lisboa, porque é a única cidade que conhecem. Não percebo como é que isso também acontecia no norte do meu país! Não percebo esta divisão tão marcada norte/sul, interior/litoral. O nosso país é muito pequeno para estas sectarizações. Muito pequeno e muito bonito. Não vale a pena insultar as cidades uns dos outros, todas elas estão mais ou menos próximas de todos nós.

  3. Macaco says:

    ok, já vi que os bracarenses são bairristas. Quando eu falei em Braga ser provinciana, estava a dar um exemplo de uma coisa injustificada que eu poderia atirar ao acaso sobre uma cidade que nem conheço. Assim como toda a gente gosta muito de chamar dormitório a Almada, a maioria das vezes sem cá nunca ter posto os pés.

    Porque comparas Braga a Lisboa? Porque não comparas com o Porto?

    Isto não é um concurso de cidades, mas estou farto de ouvir dizer que vivo numa lixeira. Se queres ver um dormitório, vai ao Cacém.

  4. Macaco says:

    Ops, agora aparece um gajo do Cacém todo lixado :-)

  5. Séries TV says:

    Pá tem calma, o primeiro comment era mais no gozo leve do que numa vertente de insulto. Eu nem sequer sou de Braga, sou do Berço, a 2ª cidade com melhores condições de vida segundo o Expresso, embora isso não signifique nada.

  6. Macaco says:

    Eu estou calmíssimo. Só achei que a coisa merecia menção. É que sempre que digo que sou de Almada respondem-me: “epáaaa… Almaaaada?”, como se eu vivesse em Beirute.

  7. Macaco says:

    Já agora, onde fica Berço?

  8. Séries TV says:

    Não sabes qual é cidade que é o Berço da Nação Portuguesa?

  9. Macaco says:

    Ah, é Berço da Nação Portuguesa, com maiúsculas. Isso é uma onda muito monárquica, não é?

  10. Séries TV says:

    Nem por isso, é apenas algo que orgulha os vimaranenses

  11. artur says:

    Almada fica na margem certa do Tejo! Uma cidade que fica encostada ao Tejo é privilegiada! Braga deve ser uma cidade simpática, mas… o problema é mais profundo: o país é um lindo, o povo é que não presta! Será que ainda não perceberam isso?… Claro que não.
    Como diz o outro: “everywhere I lay my head, I call it my home”. Neste sentido, qualquer cidade, vila, aldeia, é um dormitório… Mas quem tem o Tejo tem tudo (o resto é paisagem… triste…)

  12. chorro says:

    braga é um monte de tuneis e predios de azulejos cor-de-rosa e verde-cueca.
    Pronto, generalizei, mas nao deixa de er um bocadinho verdade. tirando o centro historico, braga é um escarro que faz lembrar as coelheiras em volta de lx. tipo massamá.

  13. Elso Lago says:

    Eu sou de Braga e vivo em Paris. Gosto de uma grande parte das cidades portuguesas que visitei. Onde me enquadro??

    Braga é a minha cidade à qual reconheço os defeitos e enalteço as virtudes. Os bracarenses não são bairristas. Braga tem 2000 anos de história, 1970 dos quais ligados a um poder eclesiastico que levava os seus habitantes a fecharem-se sobre si.

    Nos ultimos 30 anos a Universidade do Minho principalmente através dos seus cursos de informática, grangeou um prestigio que a projectou a nível Europeu, fazendo de Braga a cidade mais jovem da Europa. E foi essa juventude, grande parte vinda do resto do país, que transformou Braga numa cidade “nacional”.

    Muitos gostam, outros gostam menos. Cada um defende a sua cidade como é normal.

    Já agora, em Paris, “cidade luz” e “capital da Europa”, também há muita bosta…

    O torna um povo suficientemente evoluido e por consequência, um país, é a capacidade de auto-critica mas sobretudo saber quais são as suas qualidades. Nós portugueses, temos muito a mania de dizer que o que é de fora é que é bom e que o nacional não presta. Um bocadinho de orgulho nacional não nos ficava nada mal. Mas isto já são provavelmente delírios de um emigrante.

  14. pachita says:

    Bom, para uma lisboeta que não sai de Lisboa nem com pé de cabra, não vejo Almada como cidade dormitório nem coisa que se pareça. Muito mais dormitório são todas as freguesias de Sintra, Vila Franca de Xira, Loures.

    Conheço muito pouco Almada, assim como conheço pouco os municípios a sul do Tejo (Alcochete, Moita, Montijo, Barreiro, Almada), à excepção de Setúbal que conheço um pouco melhor. Mas, do que conheço gosto muito. É feio falar assim.

    Braga é uma cidade linda e tem muito mais história que Almada, certamente, mas isso não a torna maior do que Almada.

    Adoro a cidade de Lisboa mas não é por isso que desdenho ou desvalorizo as restantes cidades deste país. Este país é lindo e é lindo porque tem cidades diferentes umas das outras e é isso que nos valoriza.

    É old-fashioned andar aí com guerrinhas de norte e sul. Parece coisa do Pinto da Costa. Um conselho: mudaaaassstiii! :)

  15. melusine says:

    Viva a Dagorda de Óbidos que é uma terrinha mínima, que ninguém conhece, onde nasceu a minha avó e os filhos! Não acontece lá nada, dormem lá os que lá moram e trabalham. E eu, quando posso ir de férias ou de fimde semana.
    Não é berço de nada mas dizem que a Rainha D. Leonor gostava muito da aldeia. Nem sei se é verdade. Isso interessa?
    Eu gosto, apesar de parecer que não tem nada de interessante, e isso basta-me!

  16. Pedro Rebelo says:

    Almada é uma grande cidade sim senhor. Não é Lisboa é certo mas também, nada se pode comparar a LIsboa certo? Convenhamos, é o mesmo que dizer que Lisboa não é Londres… Nada se compara a Londres…
    Nasci em Lisboa mas vivi em Almada quase toda a minha vida. Com o sonho de viver em Lisboa assim que pudesse. Foi o que fiz. No dia em que sai da casa da mãe fui morar para o meio da grande cidade. Lisboa Lisboa. Praça do Chile, Alameda não é cá Benfica ou Olivais… É Lisboa. Mas uma coisa é certa: Sou quem sou e como, tenho a certeza, muito graças a Almada. Graças aos meus professores de esquerda (sim, e eu sou de direita), graças às noites n’ A Cerca e no Atira-te ao Rio quando ainda era uma tasca. O Festival de Teatro e as noites loucas pelas ruas, a escola Antonio Gedeão (a que chamavamos da Piedade) a professora que me deu a conhecer Anne Clark e me arranjava um SG Gigante de quando em vez e as garrafas de branco velho logo pela manhã. A escola do Pragal, as viagens loucas pelo pais (ó Zambujeira, ó Coimbra), o tinto no café do João e as hippies da minha turma… Obrigado Almada…
    Braga? Sim. É catita. Já lá dormi uma noite acho eu… No chão à porta da Universidade E tu ó bracarense, já dormiste no chão d’Almada?
    Não é Lisboa mas beija o Tejo…

  17. Inês says:

    Num dormitório moro eu…Massamá como já foi anunciado de “coelheira”. è verdade não posso negar…de manha o povo sai para trabalhar (todo a mesma hora) e á noite regressam à maravilha do lar (todos à mesma hora). Por isso imaginem o caos…. EU VOTO ALMADA!! Mas no meio de tanta “bairrisse” tenho a dizer que já vistei Braga e, para meu espanto gostei muito…

Deixar um comentário

Redes de Camaradas

 
Facebook
Twitter
Instagram