Chega de brasileiros na selecção!

Publicado em , por Pedro Couto e Santos

Depois do Deco se ter naturalizado português, mal sabendo cantar o hino, para poder jogar na Selecção, agora fala-se de Liedson fazer o mesmo.

Epá, sinceramente… haja paciência!

O Brasil é uma das principais nações mundiais do futebol, toda a gente o sabe e para ser jogador da selecção brasileira é preciso ser-se muito bom e, enfim, ter-se sorte, suponho. Mas nós não temos culpa que alguns brasileiros não consigam entrar na selecção do seu país.

O Deco é um grande jogador e o Liedson é um palhaço rançoso, que se atira para o chão sempre que pode e marca muitos golos. A parte de marcar muitos golos poderia interessar à selecção nacional, mas não acredito que enriqueça a mesma.

A nacionalização de estrangeiros para que possam jogar na selecção, começa a derrotar o propósito da selecção. Qualquer dia, uma selecção já não é uma colecção dos melhores jogadores de um país, a representá-lo numa grande competição, mas um conjunto de estrangeiros – nacionalizados à pressa – a competir num campeonato por equipas.

Para que servem as selecções assim? Para isso temos os clubes e já chega perfeitamente…

Tags

Deixar comentário. Permalink.

18 comentários a “Chega de brasileiros na selecção!”

  1. conchita says:

    Tens toda a razão. Em relação ao Liedson, sinceramente acho que é um bom jogador e uns dos que se esforça mais na equipa, ( note-se que eu não sou Sportinguista).

  2. ahedonia says:

    Mas basta olhares para a França… racistas como são e têm uma equipa na sua esmagadora “estrangeira”. A diferença entre um estrangeiro ser nacionalizado ou ser nacional de 1a geração é quase nula. E o Futebol, como mega-negócio que é, está-se marimbando se a Equipa nacional só tem jogadores “nacionais” de longa data. Interessa resultados, interesses, negócios, dinheiro. O resto é pura ilusão patriotista :)

  3. Macaco says:

    Acho que um gajo tem que sofrer o seu país para jogar na selecção. É preciso ser portuga e saber o que isso é. É preciso comer farinheira e beber super bock, comer tremoços e apanhar sol na costa da caparica.

  4. “É preciso comer farinheira e beber super bock, comer tremoços e apanhar sol na costa da caparica.”

    Fico muito mais descansado com a tua discriminação dos pré-requisitos para ser considerado português (eu substituiria a super book pela sagres) ;-) .

    Penso que as variáveis culturais têm muito mais importância na discussão desta problemática do que o local de nascimento.

    Começava a pensar que a tua noção de nacionalidade radicava apenas no nascer em solo nacional, com a qual discordo em absoluto.

    Acho que as situações do Deco e do Liedson são claramente distintas.

    O Deco afirmou-se como jogador em Portugal, e, segundo consta (o famoso “dizem que”, ou, na sua versão redux, “diz que”), tem uma ligação fortíssima à cidade do Porto, tendo mesmo casado lá.

    O Liedson é um caso completamente diferente… Estamos a falar de um jogador que mal tem uns dias de férias rapidamente ruma ao Brasil, sendo que por vezes fazê-lo regressar não é propriamente fácil…

    Quanto ao hino, se tomares como critério de nacionalidade o saber a letra do hino nacional ficas com o país vazio ;-) !

  5. Macaco says:

    Bom, a SuperBock é uma cerveja portuguesa, mais antiga que a Sagres, mas se é só uma questão de gosto, tudo bem.

    Quanto ao resto, concordo… e é isso que me incomoda um bocado, o Deco é como o outro, mas o Liedson não me parece querer saber de Portugal para nada, senão pela oportunidade de jogar num Europeu ou Mundial, já que o seu país natal não o chama para a selecção.

    Quanto ao hino, era obviamente um figure of speech.

  6. artur says:

    Sejamos claros: se obrigássemos os jogadores de cada selecção nacional a serem genuinamente originários do país que representam, os EUA não conseguiriam formar uma selecção. O que se passa é que odiamos o Liedson, que não é bem um jogador de futebol, mas sim uma espécie de malabarista ranhoso. Aliás, os clubes portugueses parece que temem estes brasileiros de 2ª cateoria – alguém percebe como foi possível o Jardel ser o melhor marcador do campeonato português durante 4 ou 5 anos seguidos e, depois, ter-se eclipsado absolutamente? É o caso de Liedson que, se fosse, de facto, um bom jogador (como o Deco é), já não estava a jogar no Sporting. Resumindo: Liedson na selecção? Nunca! Já lá temos merda que chegue…

  7. Alex says:

    Concordo plenamente!
    E digo mais: o treinador também tem que ser português. O mister Scolari, pois claro.

  8. Pedro says:

    Caro MACACO:
    Acerca do teu comentário, não pude ficar indiferente quanto á tua opinião racista e xenófoba. Desprezar jogadores como o LIEDSON é uma ofensa a qualquer amante do futebol! No que respeita ao Senhor DECO, agora já é um grande jogador porque joga no Barcelona. Aquando da sua permanência no GRANDE FUTEBOL CLUBE DO PORTO ele era considerado um jogador vulgar! E esta, hem?!

  9. Macaco says:

    Xenófobo, talvez, racista não estou a ver porquê… Eu não disse “chega de pretos na selecção”, pois não?

    O Liedson é um merdas, não tem personalidade e tem cara de drogado. O Deco sempre foi considerado um grande jogador, tanto quanto me lembro chamavam-lhe “o mágico”, quando jogava nesse clube merdoso do norte.

    O Deco é um jogador de futebol a sério, o Liedson é só um gajo que por acaso anda a marcar muitos golos no campeonato português.

  10. Alex says:

    Já agora uma comentário para esclarecer a diferença entre xenófobo e racista.

    Racismo é diferenciação/rejeição/etc. de pessoas com bases científicas. O Hitler era racista quando opunha os arianos aos judeus, porque media os crâneos, comparava o formato da orelhas, etc.

    Xenofobia é a rejeição do outro, só porque é diferente.

    Até mesmo quando dizes (ou não dizes) “chega de pretos na selecção” estás a ser xenófobo e não racista.

  11. Elsa Moura says:

    Confesso que não gosto nada de futebol mas não pude deixar de comentar. Entendo perfeitamente o que o Pedro está a dizer, não creio que seja um comentário racista ou xenofoba, o próprio nome ” selecção portuguesa “, deveria dizer tudo, é como eleger a miss Portugal, acham que uma muito loura ou muito preta representa a mulher portuguesa? Mas os portugueses ao que parece adoram baixar as orelhas porque acham sempre que os outros fazem melhor.
    E lá porque um brasileiro casou no Porto e gosta de lá estar isso não faz dele um português, vão lá perguntar a um imigrante que encontrem na rua, se ele pedir a nacionalidade portuguesa se lha fabricam assim do nada. Já fui algumas vezes a Inglaterra, adoro sempre lá estar e isso não faz de mim uma inglesa, antes fizesse!

  12. Alex says:

    A culpa é do Afonso Henriques, que meteu na cabeça vir de Guimarães por aí abaixo a matar pretos.

    Ou então, a culpa é duns árabes quaisquer que no século VIII resolveram passar o estreito de Gibraltar à procura de melhores condições de vida.

    Nessa altura, a questão da nacionalidade era vista de maneira diferente de hoje: não havia papéis, o pessoal distinguia-se pela cor da pele, pelos hábitos culturais e religiosos.

    Hoje somos todos mestiços: nem pretos nem brancos. Uns vão à igreja, outros à mesquita e outros à taberna.

    Mas há uma coisa que não mudou nestes 1300 anos: o “outro” é para ser corrido ao pontapé. E a discussão aqui parece não ser tanto a cor da pele mas mais a cor do passaporte!

  13. Elso Lago says:

    Deco deve ser o último naturalizado da nossa selecção. É um jogador com forte ligação a Portugal e, com a saída de Rui Costa precisavamos de um “Maestro”. Embora com entrosamento, Hugo Viana e outros pudessem fazer o papel, Deco é muito bom. Há que formar jovens para evitar estes “buracos” no futuro e guardarmos o orgulho de termos uma selecção 100% portuguesa.

  14. Sergio Nestor says:

    Desisti de lutar por uma igualdade de direitos em Portugal. Ha muito falatorio e pouca practicidade. Para obter a nacionalidade portuguesa, o brasileiro em Portugal precisa resisidir por 6 anos e ainda pode ter o pedido interposto pelo Ministerio Publico, enquanto o portugues no Brasil so precisa residir por 1 ano. Nem os netos e bisnetos de portugueses, que poderiam ser dispensados de alguns requisitos por serem descendentes, tem qualquer direito em Portugal.

    Um profissional da area de saude com cidadania portuguesa pode consultar um doente brasileiro no Brasil, enquanto os dentistas brasileiros agora tem que se submeter a uma prova mediocre em que, somente para presta-la, tem que ter 4800 horas de licenciatura. Ora vejam, nao devem existir mais de 2 cursos em todo territorio brasileiro com este pre-requisito absurdo. Por que sera que estabeleceram este numero “conveniente” de horas? Estou, como brasileiro e luso-descendente, convencido de que Portugueses no Brasil nao merecem ser tratados nem um pouco melhor do que os cidadaos dos outros paises. Estou enviando aos nossos deputados brasileiros, uma proposta para ser apresentada ao Congresso em Brasilia, revogando alguns direitos dos Portugueses no Brasil. Quem sabe assim os portugueses nao comecam a cumprir os arcordos bilaterais. Portugal e conhecido no mundo inteiro como o pais que mais desrespeita os tratados e acordos internacionais. Chega!

    Em vez dos luso-descendentes ficarem implorando aos politicos portugueses para mudarem a lei portuguesa, procurem mudar a lei brasileira, ja que isto voces tem direito enquanto cidadaos do Brasil.

    Parem com este bla bla bla de que os Portugueses acham que serao invadidos pelos brasileiros se os netos forem reconhecidos. Todo mundo em Portugal sabe que tem muito brasileiro com passaporte portugues que prefer continuar morando no Brasil. O governo Portugues nao facilita para os luso-descendentes porque sao orgulhosos e querem a Comunidade Europeia “falida” so para eles. Os portugueses sao historicamente um povo ambicios e orgulhoso. Emigraram para todas as partes do mundo e tem duplas, triplas nacionalidades. Mas na hora de dar a nacionalidade deles para outrem, inventam subterfugios horrorosos (nojentos) na lei, ate mesmo para aqueles que tem o mesmo sangue (luso-descendentes).
    Mas na epoca das guerras, pestes e ditadura, para onde eles correram? Para o Brasilzinho de todos nos. O Brasil tem gente de toda cor, credo e raca. Somos orgulhosos de, assim como os Estados Unidos e o Canada, sermos um pais de imigrantes. Nosso passaporte sim, e mais condizente com a nossa historia. Temos agora a versao “azul” do Mercosul. Por mais insignificante que isto possa parecer, nao deixa de estar mais bonito, assim como a nossa historia. Temos dificuldades mil, mas em materia de acordos internacionais e politica migratoria, somos mais justos aos olhos de Deus e do mundo. Talvez pos isto sejamos um bocado mais felizes…

    Na hora em que voces comecarem a “mexer” nos direitos dos portugueses no Brasil, a lei deles rapidinho muda. Sera? Sao tao orgulhosos e turroes que talvez ate prefiram sofrer… Por isto que se tornaram fadistas.

  15. Macaco says:

    Hey Sérgio Nestor… tanta coisa por causa de jogador de futebol na Selecção, cara!

    Relaxa, viu?

  16. Wososky says:

    Pois, como especialista, os jogadores sempre foram autorizados a nacionalizarem-se com os mínimos requesitos. Isto começou em tempos quando os países europeus tinham as colónias (lembram-se do Eusébio?) o jogadores jogavam pelas terras colonizadoras! Quando este países se tornaram independentes criaram as suas próprias selecções, não nacionalizando os jogadores portugueses (ainda n havia nacionalização de estrangeiros). Estes “disseram” esperem lá, nós keremos jogar (por exemplo) na Angola, pk foi la que nasci! A melhor solução que as federações foi nacionalizar estes jogadores! Os estrangeiros (mesmo sendo marroquinos ou chineses) também quiseram, então os responsáveis pelas nacionalizações não os podiam impedir. Logo, políticamente, estes jogadores como o Liedson ou o Pepe, têm todo o direito de jogar pela nossa Selecção, embora, pela ética, só um português, filho de portugueses, nascido em Portugal joga em Portugal com toda a pujança! É este o problema das grandes selecções como Portugal e França! O próprio Zinedine Zidane, não é francês, e no entanto: “grande jogador no último mundial.” Por favor, só joga em Portugal quem merece!

  17. GECÉLIA OLIVEIRA AMADO says:

    MEU DEUS ESTOU HORRORIZADA COM TANTA PRESSAÕ PSICOLOGICA CREDO…OLHA OS BRASILEIROS E PORTUGUESES SAIRÃO DO MESMO MUNDO..E QUERENDO OU NÃO ACABAM POR AMAR UNS AOS OUTROS UMA ABRAÇO A TODOS CIDADÃOS BRASILEIROS E PORTUGUESES…

Responder a Pedro

Redes de Camaradas

 
Facebook
Twitter
Instagram