Macacos sem galho

Tudo bem até ao fim

Publicado em , por Pedro Couto e Santos

Hoje decidimos juntar-nos ao almoço de família de fim de semana, ao qual já não tentávamos ir desde que uma vez entrámos na Lusitânia, sentámo-nos, o Tiago começou a berrar e fomos em bora sem sequer pedir.

Entretanto passaram uns meses valentes e já saímos para jantar com ele entretanto, com resultados animadores.

O almoço foi no Sunrise, na Costa. A Costa está qualquer coisa de fabuloso. Tudo renovado, muito bem organizado, avenidas novas, restaurantes novos, as praias completamente diferentes, o paredão renovado. Há partes com um aspecto inacabado, mas o que já está pronto dá finalmente àquela zona o aspecto que merece.

O restaurante é simpático e confortável com duas zonas, uma mais resguardada e outra mais tipo esplanada, se bem que coberta. E, claro, como-se a ver o mar.

A comida também era boa… e muita! Daquelas doses que diz para uma pessoa, mas dá quase para três.

O Tiago começou por querer sair e o avô lá foi com ele correr para a praia, depois voltou e conseguiu estar sentado à mesa bastante tempo, embora tenha comido pouco, muito mais interessado no pão com manteiga do que em qualquer outro alimento.

Depois de comer voltou a ir correr para a praia e a mãe foi atrás dele. Ou seja,  tudo bem… até ao fim.

O problema foi mesmo o fim. De repente decidiu que não queria sair do restaurante. Convencidos de que estava cheio de sono fomo-nos embora em vez de irmos dar uma volta, mas a meio caminho para o carro, berrando o tempo todo, atirou a bolacha que tinha na mão para o chão, levou o consequente safanão na dita ao que se virou e começou a bater-me na cara.

É lamentável e eu, que sou um gajo de resolver tudo com conversa, tenho ainda mais dificuldade em fazê-lo, mas não vi outra solução que não aviar-lhe uma dose adequada de nalgadas. Agora que já não usa fralda, o efeito é mais… contundente.

Normalmente, depois deste tipo de episódio em que o papá é obrigado a aplicar uns tau-taus, o Tiago muda imediatamente de voz. Continua a berrar, mas porque é incapaz de lidar com o facto do pai estar assim tão zangado com ele e só quer colo. Colocá-lo na cadeira do carro foi quase impossível, já que ele só gritava “colo, colo!”

De facto, antes de sair de casa já estava a sentir um certo stress que não conseguia compreender e afinal é óbvio: é que eu já sei que isto acaba assim. E detesto estas birras, detesto ter que dar palmadas no meu filho, de ter que o forçar a sentar-se na cadeira do carro, de ter que o levar o caminho todo para casa a chorar no banco de trás.

O almoço foi óptimo, com comida boa, numa Costa da Caparica fantástica, com a companhia da minha família, mas este desfecho dá-me cabo da paciência. Fica então para daqui a mais seis meses, nova tentativa de levar o Tiago a almoçar fora, na esperança de que, com três anos, já consiga dominar um pouquinho melhor o claro “excesso de personalidade” que tem.

PS: Em contrapartida a tudo isto, confesso que me satisfaz que o meu filho seja independente e queira fazer e decidir tudo sozinho; e que seja teimoso e insistente. Sei que agora me custa, porque tenho que fazer o meu papel de pai e não o posso deixar fazer tudo o que quer e como quer, mas também sei que, no futuro, esta maneira de ser lhe será favorável.

Tags

. . . . .

Deixar comentário. Permalink.

13 Responses to “Tudo bem até ao fim”

  1. tatas says:

    curiosamente, o minusculo e eu, mais uns 15 marmanjos, jantámos no sunrise ontem : )))

    • O gajo a jantar não se aguenta mal, mas ao almoço a coisa fia mais fino. Acho que não dormir sestas ao fim de semana não ajuda, porque ele aguenta-se, mas no fundo está cansado (tanto que adormece no sofá a meio da tarde de Domingo, geralmente).

  2. tatas says:

    eu normalmente o que faço é deitá-lo mais tarde à sexta, o que faz com que se levante mais tarde ao sábado, 10.30 por aí, e daí aguentar-se nos almoços de familia, dps dorme sesta entre as 3 e meia – quatro até às 6 ou 7 e fica pronto para grandes jantaradas e fanfarras, acorda domingo tipo ao meio dia-uma e tomamos pequenos almoços americanos, saímos para lanchar fora e tal, voltamos para a ducha, sopa e dps deita-se cedinhu que às segundas já tem escola e precisa acordar a horas normais :)

    • tatas says:

      ahhh, ao sábado ceamos, que é uma coisa fixi de se fazer : )

    • Tudo isso é impossível com o Tiago. Se o deitamos à uma da manhã, levanta-se às oito como sempre. Nos últimos dois anos e meio se dormiu duas vezes até perto das 10 foi uma sorte e já há uns dois meses que se recusa a dormir sestas ao fim de semana (na escola dorme, mas nem sempre).

      Acordar ao meio-dia/uma… confesso que essa me fez rir :-)

  3. Amadex says:

    Como eu compreendo o teu sofrimento… :(

  4. artur couto e santos says:

    Penso que, pelo contrário, o Tiago devia era participar mais vezes, para se ir habituando (faz-me lembrar a Marta…)

  5. HCarvalho says:

    A minha sobrinha mais velha (fez 4 anos em Agosto) nunca nos deu esses problemas, por acaso tivemos sorte com ela nesse aspecto, entra no restaurante, senta-se e come, pode querer sair da mesa no fim mas nunca se afasta muito da mesa. A irmã dela mais nova (faz 2 anos em Dezembro) ultimamente estranha qualquer lugar novo que entre e precisa de estar no colo da mãe uma meia-hora, mas depois disso fica à vontade e calma.

    Costumas ir comer ao Marreta aí na Costa da Caparica, é o único restaurante que frequento nessa zona nas raríssimas vezes que passo por aí (uns 5 em 5 anos).

  6. Bintxa says:

    Coitado dele… Ele ainda não tem personalidade, está a formá-la. A birra faz parte, é ele a queixar-se de nós, que somos uns chatos do caraças. E eu percebo-o, oh como o percebo. Ainda me lembro da sensação das birras que fazia. Se ele pede colo, dá-lho ;).

  7. Lisete says:

    Olá.. ia exactamente dizer o que o seu pai disse.. têm de o levar mais vezes para se habituar. O meu sempre saiu connosco, desde bebé.. também já fez muitas birras em sítios inapropriados, mas que se lixe..quem tem filhos percebe.. quem não tem fica a olhar.. paciência.. mas como desde cedo o habituámos ele já fica a comer connosco e porta-se bem, desde que não sejam almoços de 3 horas!! e e houver “tatash” fritas e “lilão” (melão) até podem ser 3 horas :-)

Leave a Reply

Temas

Categorias