Macacos sem galho

Ateus, Agnósticos e outros pratos típicos do Ribatejo

Publicado em , por Pedro Couto e Santos

Anda aí uma grande confusão sobre ateísmo e agnosticismo como se fossem conceitos mutuamente exclusivos. Normalmente o que acontece é que os zangados se declaram ateus e os duvidosos, agnósticos.

Vejamos.

Um ateu não acredita em deus. O ateu não precisa de se preocupar em provar se deus existe ou não existe, não precisa de pensar sobre os mistérios do universo e da espiritualidade. São coisas que não lhe interessam, com as quais não se ocupa e nas quais não acredita.

Não confundam um ateu com um anti-religioso ou anti-eclesiástico. Ateísmo, no mais puro sentido é despreocupação; um ateu não se levanta todos os dias de manhã e pensa “ainda bem que deus não existe”. Por outro lado, uma pessoa que se oponha à existência de religião ou de religião organizada (são coisas diferentes), poderá ser activa nalguma forma de combate a estas ideologias e organizações.

Um agnóstico, é uma pessoa que  duvida ou nega que o conhecimento humano possa ir além da experiência e que, por não poder experimentar deus, não pode acreditar nele. Em último caso, um agnóstico diz: não sei se deus existe ou não existe – eu nunca o vi.

Como vêem, não é difícil ser um ateu agnóstico. O ateísmo relaciona-se com aquilo em que acreditamos, com aquilo que faz parte da nossa vida no dia a dia; o agnosticismo relaciona-se com aquilo que julgamos ser possível conhecer.

A maioria dos ateus é agnóstica e talvez se possa mesmo dizer que são ateus porque são agnósticos – como não existe forma de fazer deus passar do plano imaginário para o real, não vale a pena preocuparem-se com isso.

No fundo, ser agnóstico é como ser omnívoro: quando vou almoçar, não tenho grandes preocupações com o que vou comer. Se eu fosse vegetariano, de repente tenho mais uma coisa em que pensar todos os dias.

Eu sou ateu e agnóstico e, confesso, há dias em que sou muito anti-eclesiástico.

PS: sugiro que leiam o artigo do Free Thinker sobre o assunto, muito mais profundo e completo que o meu. Obrigado ao João Pedro Gonçalves pelo link.

Tags

. .

Deixar comentário. Permalink.

21 Responses to “Ateus, Agnósticos e outros pratos típicos do Ribatejo”

  1. Arzebiu says:

    Boa clarificação de termos, por essas definições também eu sou ateu agnóstico. Contudo, respeito muito a religião, não fossem os meus pais pessoas religiosa. Agora aponto muito o dedo é à Igreja como instituição que faz de interface à religião.

    Não compreendo como uma igreja que supostamente devia seguir os seus ensinamentos, é mais uma máquina de dinheiro e se preocupa tão pouco com os necessitados.

    • E aqui eu pergunto: religião e igreja são a mesma coisa?

      • Arzebiu says:

        Não minha opinião não… por religião considero os ensinamentos, mandamentos, modo de vida, etc…

        Por Igreja considero a instituição, constituida por homens arbitrários e por sítios específicos, onde se divulga e se segue uma religião.

        Penso que pode haver por exemplo pessoas cristãs que não vão à Igreja, que não concordam em confessar-se ou ouvir a missa de pessoas que podem não seguir o que apregoam. Ou doar dinheiro a uma Igreja que em vez de o usar *todo* para ajudar os necessitados, tem os bispos no vaticano com anéis de ouro e fatos especiais que custam centenas de euros (vi num documentário).

  2. “…e outros pratos típicos do ribatejo” – Então eu que vim aqui parar ao post porque queria saber mais sobre os pratos típicos do ribatejo, descubro que afinal não falas deles. ‘Tá mal! :)

    Brincadeirinha, excelente post. Mas continuo a ser só ateu :)

  3. Starbuck says:

    Devias ver este documentário http://www.youtube.com/watch?v=xlTwwr-WEVo

    O Bill Maher é uma das principais vozes contra a religião, ele não é Ateu, é apenas anti religião.

  4. Raul Ferreira says:

    E para quem quiser a explicação em forma de video :p

  5. Edgar Durão says:

    Epá já se queixaram aí em cima, mas agora vou eu. Já tinha lido isto, mas só agora com mais atenção vejo que andas a enganar a malta :) : então onde é que estão os pratos típicos do meu Ribatejo no meio desta conversa toda?

    Isso é errado…. invocas o mui grande nome do Ribatejo e da sua Gastronomia em vão !!! :P

  6. Sany says:

    Ha muito nao consigo acreditar num Deus que permite tamanha tragedia entre seus filhos, guerras, fome, doencas, terremotos, politicos, ladroes, assassinos, corruptos, pedofilos, estupradores.Sou agnostica e anti eclesiastica com certeza, afinal a religiao eh o mal maior do mundo.

  7. ronaldo ramalho says:

    insultuoso como há de se esperar de pessoas cacarejantes vindo de um útero bicorno

  8. Gato says:

    Este artigo é de alguma forma interessante, com excepção para um grave equívoco. A relação agnóstico/omnívoro. Encontro-me numa posição que, não se definindo exactamente, nem como ateu, nem como agnóstico, anda muito perto desses dois conceitos, chegando mesmo a misturá-los de uma forma muito individual. No entanto, não sendo vegetariano, ou totalmente vegetariano, tenho sérias e constantes preocupações com a minha alimentação, e quando me alimento, com o que uso para me alimentar. Tento ser o mais vegetariano possível, e desejável para mim. Por outro lado, observando uma vertente da religião muito dogmática e cultural, inclusive a nível alimentar, sei que muitos crentes são verdadeiros omnívoros, nunca pensando ou questionando a sua alimentação, nem o porquê de uma mudança nos seus hábitos alimentares. Aliás, longe do pensamento católico, ou cristão, abandonar o consumo animal de animais e/ou produtos provenientes desta origem.

    Espero que não seja mal interpretada esta minha adenda. É uma opinião, bastante real, resultante da observação do que me rodeia.

    Gato

Leave a Reply

Temas

Categorias