Macacos sem galho

Dois Cheesecakes

Publicado em , por Pedro Couto e Santos

Há muitos anos atrás, começámos a fazer cheescake e como não fazíamos ideia exactamente o que era cream-cheese, improvisámos. Saiu um cheesecake estranhíssimo, mas a cujo sabor nos afeiçoámos. Entretanto, apareceu em Portugal o Philadelphia, que é o cream cheese mais comummente usado pelos americanos para fazer o seu cheesecake, mas confesso que não gosto muito do sabor e portanto uso mascarpone.

As Graham crackers também me escaparam durante uns anos, mas entretanto já sei exactamente como as substituir e de facto… vale a pena: são as bolachas “Digestive” da Triunfo e não se deixem enganar porque não têm nada de digestivo, a própria embalagem alerta para esse facto.

São estas (imagem de jumbo.pt):

Bolachas

Vamos às receitas.

Para um cheesecake mais clássico:

  • Um bocadinho mais de metade de um pacote de Triunfo Digestive
  • 2 colheres de sopa de açúcar mascavado
  • um naco de manteiga (umas 50 g.) derretido
  • 500 g de queijo mascarpone deixado à temperatura ambiente para amolecer
  • uma chávena de açúcar branco (eu uso uma caneca daquelas de louça, mal cheia)
  • três ovos
  • alguma forma de baunilha
  • dois pacotes de natas frescas ou natas para bater (400 ml)

Facílimo de fazer:

Aquecer o forno a 180 graus.

Picar, esmagar, triturar ou desfazer as bolachas até ficarem em migalhinhas (vantagem das bolachas que sugiro: são muito fáceis de desfazer) e colocar no fundo de uma tigela grande com o açúcar mascavado e a manteiga derretida. Misturar tudo muito bem com um garfo, até alguns pedaços de bolacha começarem a amalgamar.

Forrar o fundo de uma forma de mola (daquelas que se solta a mola e o fundo separa-se dos lados) de 19/20 cm com a bolacha e usar um copo de vidro para espalmar tudo.

A forma (imagem da Amazon):

Forma de mola

Levar ao forno 8 minutos, tirar e deixar arrefecer.

Na batedeira em andamento médio colocar o queijo, seguido do açúcar branco e deixar misturar até estar cremoso. Juntar os ovos um a um, esperando que cada um se misture completamente. Juntar as natas e finalmente, um pouco de baunilha (colher de chá, mais ou menos). Deixar bater até estar tudo bem misturado e cremoso e deitar sobre a base.

Levar ao forno (ainda a 180 graus). O tempo pode variar… normalmente deixo meia hora e verifico como está a correr, depois dou mais 15 minutos e volto a verificar. No máximo, leva uma hora, normalmente, 45 minutos. Apaga-se o forno e deixa-se, com a porta entre-aberta, mais 15 minutos.

Tira-se do forno; é possível que o bolo ondule, mesmo depois de cozido. Não faz mal, vai endurecer no frio. Depois de deixar arrefecer ao ar, mete-se no frigorífico durante a noite ou umas quatro horas, whatever comes first. Come-se.

Para o cheesecake ‘weird’, segue-se precisamente a mesma receita mas: não se usam natas e em vez de 500 g de mascarpone, usam-se 500 gramas de queijo fundido Queru ou Linea (se ainda existir). O sabor fica completamente diferente e até provavelmente estranho para muita gente, mas nós gostamos.

Enjoy!

Tags

. . .

Deixar comentário. Permalink.

5 Responses to “Dois Cheesecakes”

  1. FlaviaPM says:

    Só para provocar…

    Era tão mais fácil se tivesses a Bimby ;)

    Podes conferir aqui http://luisaalexandramarques.blogspot.com/2009/01/cheese-cake.html

  2. Nuno Pimenta says:

    Uma forma surpreendentemente eficaz de obter queijo creme é esmigalhar queijo fresco na picadora. :)
    Convém que seja um queijo meio-gordo para o creme subsequente fique, enfim, cremoso. Com queijos frescos pouco gordos a coisa não fica tão fixe.
    E pronto, assim sempre sai mais barato que o mascarpone ou que o philadelphia. Além de que o queijo fresco que se vende costuma ser menos salgado que o philadelphia, o que também ajuda à receita. :)

Leave a Reply