Velho e cansado

Publicado em , por Pedro Couto e Santos

Hoje os meus pais ficaram com a nossa passadeira. Já há algum tempo que estava parada e apesar de já ter tido o seu uso, aquilo era gigantesco e estávamos muito cansados de a ter a ocupar uma porção significativa da nossa sala.

Depois de algumas dificuldades logísticas, lá conseguimos levar aquilo, o mais desmontado possível. Ainda assim, toda a base metálica, tapete e motor foram numa só peça, razoavelmente pesada.

Com algum esforço, eu e o meu pai e mãe lá conseguimos levar aquilo de um quarteirão – onde eu vivo –  para o outro – onde vivem eles.

Correu bem, apesar do peso daquele brinquedo e na varanda deles fica bem melhor do que na nossa sala.

Pouco tempo depois começou-me a doer o pulso esquerdo. Depois o antebraço, o ombro e o dorsal. Neste momento estou de rastos com dores nas costas e nos braços. Não quero imaginar como me vou sentir amanhã.

Aquela coisa que se diz por aí de que a idade não perdoa… é verdade.

Tags

Deixar comentário. Permalink.

9 comentários a “Velho e cansado”

  1. htr says:

    Fsck, este titulo faz-me lembrar alguem. E prometo nao gozar muito contigo.

  2. artur says:

    Pois olha: hoje, a tua m~e já fez 20 mn de passadeira e, logo a seguir, fizemos, abos, 12 km de bicicleta, até ao Parque da Paz. A idade perdoa, sim senhor – o que não perdoa é o sedentarismo…

  3. já agora o senhor artur não quererá um banco de abdominais? isto está-me a ocupar uma boa parcela do quarto e preciso de espaço para arrumar a bateria do Guitar Hero. :D

    • artur says:

      Se ainda fosse um Banco tipo Espírito Santo…agora, de abdominais, estou servido: por baixo do manto diáfano da gordura abdominal, jazem dois grandes retos do abdómen que já viram melhores dias…

  4. Bino says:

    Pois eu sinto-me rijo e forte como o aço dum cutelo de Guimarães.

  5. Bino says:

    É verdade, uma grande história. Ainda sou do tempo em que, nas nossas casas ou nos restaurantes, os talheres da mesa quase sempre tinham escrita neles a palavra Guimarães.
    Consta que foi graças a esse aço excepcional de Guimarães, que Dom afonso Henriques e os seus guerreiros conseguiram com as suas espadas, uma brilhante vitória na conquista de Lisboa.
    Um grande abraço amigo deste teu leitor brincalhão.

Deixar um comentário

Redes de Camaradas

 
Facebook
Twitter
Instagram