Macacos sem galho

Decisions, decisions

Publicado em , por Pedro Couto e Santos

Estávamos a preparar-nos para levar algumas coisas para a casa nova, de modo a deixarmos a actual mais arrumada e pronta para mostrar, para pôr à venda, quando me ocorreu o óbvio: mas porque raio não nos mudamos?

A trabalheira de levarmos nós algumas coisas para a casa nova, com os dois miúdos atrás, não estando ainda nenhum deles apto a dar uma mãozinha para levantar caixotes de 30 kg., não me saía da cabeça e por muito que puxasse pela dita, não via maneira de tal tarefa ser levada a cabo de forma rápida e prática.

E eu já não sou novo. Eu sei, eu sei, não estou velho, é verdade, mas se há 15 anos atrás levantava uma máquina de lavar sozinho e ‘no pasa nada’, hoje em dia se me meto nessa aventura o mais certo é passar os dias seguintes agarrado às costas.

Nunca fiz tenção de fazer a mudança; como, aliás, já não fiz a última — é mesmo para isso que existem empresas especializadas.

Uma coisa levou à outra e a decisão parecia inevitável: vamos tentar acertar as coisas para nos mudarmos já no próximo fim de semana que ainda por cima ‘pega’ com o 5 de Outubro.

Neste momento, há dois impedimentos para a mudança: a falta de vidros no terraço torna-o um local perigosíssimo para o Tiago — algo que pode ser resolvido mantendo todas as portas lá para fora fechadas à chave, mas melhor ainda seria com a montagem dos vidros que, tanto quanto sabemos, está iminente.

E a falta de gás. Algo que se resolve fazendo o contrato na Galp, algo que pode ser feito já na Segunda-feira, uma vez que já temos o termo de responsabilidade do instalador.

Portanto, combinámos que, tendo agendada a instalação de gás, procuraremos marcar a mudança com uma empresa da zona, para dia 2, 3, 4 ou 5 de Outubro (algumas empresas trabalham 365 dias por ano).

It’s time to bite the bullet.

Tags

. . . . .

Deixar comentário. Permalink.

21 Responses to “Decisions, decisions”

  1. Edgar Durão says:

    365 dias por ano e 24 horas por dia…. Acho que contratei os meus fulanos no dia antes para as 17 horas do dia seguinte. Eles inicialmente disseram que era muito apertado mas depois lá me ligaram então a aceitar a coisa. Happy moving ;) e não dez cabo das costas…

  2. Ricardo says:

    You go, girl!

    Se precisares de ajuda com alguma coisa… não digas. :D

    (Agora a sério) Boa sorte!

  3. asturmas says:

    Boa decisão! Até porque as obras no sotão não deverão ser assim tão incomodativas..

  4. jpalhais says:

    Só convém ter muito cuidado com o terraço sem a guarda. Um descuido/esquecimento pode ser muito mau.

    Lá vamos nós ter direito a mais uma fotos…

  5. Joana says:

    Grande novidade, afinal já lá estarão no Natal!!

    Boas mudanças e trancas nas portas para o terraço enquanto não houver vidros, sou muito paranóica com varandas e janelas.

  6. Hugo says:

    Pedro
    Por experiência própria (muito recente), o pior não são as mudanças, são a arrumação das tralhas todas na casa nova.
    Nós também contratámos uma empresa para nos mudarem as quase 50 caixas e os móveis principais que trouxemos connosco. Infelizmente o mais demorado foi/é voltar a arrumar tudo na casa nova, sobretudo as tralhas da cozinha. No nosso caso, isso levou quase a última semana toda e ainda existem cerca de 15 caixas na arrecadação com livros e outras coisas, para irmos arrumando com calma.

  7. Liliana Monteiro says:

    Sinto muito cortar-vos o barato.

    À 3 anos quando resolvemos arranjar o nosso sótão foi uma dor de cabeça.

    Antes de sairmos de manhã isolávamos todas as portas, para as outras divisões, com fita cola e fugíamos para os empregos e escolas.

    Durante o dia o filme era mais ou menos este: pessoal a subir e a descer, a entrar e a sair, barulho, muita, muita sujidade que (apesar de estar tudo isolado) se espalhava pela casa toda, …

    Quando, ao fim do dia, chegava a casa com os miúdos (na altura com 4 e 1 ano) ficava desolada: Sozinha, com dois putos para tratar (banhos e jantar) e ter que limpar todo aquele serrim e pó …

    Foi um mês horroroso tanto para mim como para os miúdos e jurei que obras daquele porte, dentro de casa, nunca mais.

    Boa Sorte e Felicidades

    • Pois, nós temos a noção de que não será pêra doce e mais: a Dee vai estar em casa com a Joana durante todo o tempo.

      Diz-me uma coisa, já agora: como era o acesso ao vosso sótão?

      • Liliana Monteiro says:

        Quando esta manhã fiz o comentário pensei na Dee e na Joana. Eu na altura não estava em casa durante o dia, nem conseguiria (cheguei a ter andaimes montados dentro de casa e já vais perceber porquê).

        Coloquem a hipótese de as Meninas estarem fora dessa guerra durante o dia, mesmo porque a presença delas não vai fazer com que os trabalhos andem mais depressa.

        O acesso era um simples buraco com cerca de 1 por 1 metro, com um tampo em madeira.

        Para lá entrarmos tínhamos de, propositadamente, colocar uma escada. Levar e tirar de lá coisas era complicado e não podiam ser grandes volumes.

        Quando decidimos fazer o aproveitamento pensamos em aplicar uma escada de encolher ou uma escada em caracol. A segunda opção foi colocada de lado porque ficava no ¨meio do caminho¨ e também porque não gostamos das soluções que nos apresentaram. A primeira opção ficava muito dispendiosa e no final a relação preço/utilidade revelou-se muito fraca.

        A nossa casa é um andar moradia no 1º andar. Temos uma escada de acesso desde a rua (R/C) até à habitação e pensamos que: ou se fazia uma coisa em condições ou então mais valia estarmos quietinhos.

        Chamamos um empreiteiro que nos aconselhou a fechar aquele buraquinho e a abrir um Buraco por cima das outras escadas (e aqui apareceram os andaime).
        Depois o Carpinteiro (um sujeito, muito competente, especializado nestes serviços) fez uma escada (com degraus abertos) com Madeira igual à da escadaria já existente.

        O resultado final foi: temos no sótão um sofá cama Clic Clac (penso que é assim que se diz), um sofá de dois lugares com cama, duas poltronas, uma cama de casal, Secretária, … ou seja conseguimos lá colocar de tudo. E, acresce que, o trabalho ficou de tal maneira que, quem não conheceu a casa antes da obra não consegue imaginar que tudo aquilo foi feito à posteriori. Os sujeitos tiveram o “poder” de fazer com que tudo tivesse o aspecto de ter sido feito de raiz (até os Roupeiros embutidos do sótão).

        Espero sinceramente que tudo corra pelo melhor.

        • Liliana, obrigado pela descrição detalhada.

          No nosso caso, temos uma pequena divisão a partir da qual se acede ao sótão, o que permitirá fechar a porta e deixá-los trabalhar lá em cima.

          Actualmente, a Dee está a ter que ir à casa muitas vezes, com a miúda atrás e acaba por ser um cansaço enorme.

          Vivendo lá, pode estar presente quando for preciso e quando não for, pode pegar nela e ir para o jardim que há ali perto.

          Pode ainda passar algum tempo no terraço onde o barulho é muito menor (já testámos).

          Não é, claramente, ideal, mas como vamos apenas forrar o telhado e colocar chão, temos esperança que (tendo visto a velocidade dos trabalhos no resto da casa), a coisa não demore muito.

          • Liliana Monteiro says:

            De facto, não é fácil andar sempre de um lado para o outro com uma criança tão pequena. É cansativo tanto para a mãe como para a filha.

            Pelos materiais que tens aí depreendo que vão fazer uma “placa” para tapar as telhas. Essa parte já estava feita no nosso sótão.

            A nossa obra durou cerca de 1 mês: Abrir o buraco e fechar o existente, colocar/montar a escada, colocar isolamento no tecto em lã de rocha, forrar com madeira de pinho e colocar o pavimento em flutuante.
            Na altura pareceu-nos uma eternidade pelo transtorno causado mas depois de tudo pronto reconhecemos que não foi muito demorado. O teu vai, com certeza, demorar menos.

            Boa mudança.

  8. Nelito Carrapito says:

    Man… vai a tutti casa ao pé do Jumbo jardim no forum (é da parte de fora do forum, ao pé da norauto e do jumbo jardim). Eles têm lá um gajo que é o gajo que monta e leva os móveis deles. O gajo fez a mudança da minha casa em 1 dia. perdes o amor a 250euros e é só arrumares em tua casa. Até lá embalas tudo.

    podes sempre falar com os gajos da urbanos (urbanos.pt) esses tem elevadores e devem fazer a coisa em menos horas, mas são mais caros…

    Um gajo já não tem 20 anos…

    abç e boa sorte

    • A quem o dizes, descobri bem a idade que tenho este fim de semana a acartar com uma casa de bonecas. :-)

      Já contactámos empresas de mudanças, vêm cá amanhã fazer orçamento e tudo, mas há-de ser qualquer coisa à volta de 20 e picos euros/hora.

      Obrigado :)

Leave a Reply

Temas

Categorias