Macacos sem galho

Dez posts de bem dizer: Dois – Comida

Publicado em , por Pedro Couto e Santos

Pronto, por exigência popular, aqui vai o segundo dos dez e vai ser sobre a comida. Sim, é verdade que o primeiro já falava de comida, mais especificamente da nossa pastelaria fabulosa, mas para distinguir o lanche do almoço, aqui vai um sobre a gastronomia portuguesa, mas excluindo a pastelaria.

O que dizer? Pela boca morre o português? A verdade é que por cá se come bem.

Não só temos bons pratos típicos em várias regiões do país, como temos bons produtos alimentares que dificilmente se encontrarão noutro lado; os chouriços alentejanos, por exemplo.

É verdade que também se come muito bem em Itália; será verdade que a comida Francesa é requintada (nunca provei). Mas a cozinha portuguesa também merece um grande destaque.

Somos um país de pobretanas há muitos anos (já fomos a principal potência mundial, mas depois a coisa acabou-se), portanto temos muitas comidas à pobrezinho: tudo o que se arranjar, atirado para uma panela e cozido. Cozido, portanto.

Também comemos o peixe que mais ninguém quer: bacalhau curado.

E temos o benefício dos séculos de exploração dos oceanos: alimentos de outras paragens e, sobretudo, as especiarias e temperos.

Eu até sou um gajo esquisito a comer; não gosto de peixe, por exemplo. Mas a grande parte dos meus sabores preferidos é precisamente portuguesa.

Então vejamos algumas das razões que me fazem gostar de comer em Portugal: Cozido à portuguesa, claro. Linguiça e chouriço na brasa; já agora febras na brasa e frango no churrasco. Francesinha, que nunca comi no Porto, mas já comi uma em Lisboa aprovada pela generalidade dos portuenses que a provaram. Carne de porco à alentejana ou apenas à portuguesa que é sem as amêijoas mas com pickles. Cadelinhas ou lambujinhas ou conquilhas conforme lhes queiram chamar, que são os meus bivalves preferidos e que era capaz de comer ao balde. Bacalhau cozido com grão, que é a melhor maneira de comer bacalhau, ponto final absoluto sem discussão – embora também não diga que não a bacalhau na brasa ou à Braz, por exemplo. Desde que não seja com natas, tudo bem.

Ora que mais? Uma boa feijoada, claro. Entrecosto na brasa também cai bem – eu gosto de coisas na brasa, está visto. Nunca por de parte o bife – seja com ovo a cavalo ou à Portugália (preferencialmente comido na Almirante Reis). A boa da sapateira e a generalidade dos mariscos e bivalves como são preparados nas cervejarias um pouco por todo o litoral. Choco frito à setubalense, de preferência ali num cantinho escondido da Luísa Todi. Espetadas à madeirense sem nunca esquecer os pimentos. O pão, especialmente o alentejano e o saloio que às vezes não precisa de mais nada e se come sozinho de bom que é.

E, claro, a doçaria – que não encaixa no outro post – muitas coisas com ovos que é o meu ingrediente preferido num doce.

Só os doces de ovos portugueses quase mereciam um post à parte, de tão bons que são. A encharcada, a lampreia de ovos, os ovos moles de Aveiro, as trouxas de ovos ou os D. Rodrigos. E mais ainda, à base de ovos ou não: as tijeladas, as queijadas de Sintra, as sericaias, a aletria, o arroz doce, a baba de camelo, o leite-creme e as farófias.

É um resumo das comidas que me fazem gostar de viver em Portugal. Eu. A mim. Portanto não me venham com merdas nojentas como sarrabulhos e cabidelas, moelas e couratos, torresmos e tripas, mioleira ou o raio que os parta.

Pronto, precisava de um parágrafo para me tirar a água da boca.

[tags]portugal, culinária, doçaria, gastronomia, comida[/tags]

Tags

. . . .

Deixar comentário. Permalink.

9 Responses to “Dez posts de bem dizer: Dois – Comida”

  1. Patricia says:

    E o caldo verde, não? ;)

  2. Macaco says:

    Não gosto de sopa por aí além.

  3. Nmerdas says:

    e ora ai está…

    tirando aquela tirada aos descobrimentos (muito breve mesmo) um verdadeiro post de bem dizer!!

    só faltaram as favas com morcela!

    Abraço

  4. Khan says:

    pelos vistos o símio cá do sitio não gosta quando alguem discorda da verdade absoluta dele, não sei porque permite que enviem comentários se só passam os que veneram o que é dito pelo Pol pot deste blogue, nem na Coreia do norte fazem melhor

  5. Joao says:

    Bacalhau com grão. Somos dois. O meu é com alho picado ou em finas lâminas. É anti-social, mas muito bom.

  6. Macaco says:

    Eu gosto muito salpicado com cebola e salsa picadas. Epá, gosto mesmo. E ovo cozido a acompanhar, claro.

  7. bintxo says:

    que grande discussão de panascas… áh eu gosto de caldo verde… ai eu não perfiro, tubaros de javardo… fosga-se coratos com umas bejecas a ver a bola, isso sim é um belo petisco (conversas sobre petiscos não têm nada que ver com discussões dúbias sobre… gastronomia!!) E esse senhor que viveu na Coreia do Norte, deve ter muito com que se queixar, já falar de vez em quando já é óptimo, pois se os comentários autorizados representarem uma proporcionalidade directa entre eles e a sua utilidade acho que mesmo assim fala muito.

  8. Macaco says:

    Eh bejeca! Agora é que a disseste… temos boa cervejola cá na terra! Este gajo percebe disto.

  9. prima inês says:

    então e os caracois??? os franceses têm uns “escargots” muito maricas que se comem com umas pinças… por favor!!! Caracois é com as mãos!

Leave a Reply

Temas

Categorias