Macacos sem galho

Getting with the program

Publicado em , por Pedro Couto e Santos

Algures a meio de Junho deste ano decidi que estava a ficar gordo demais. Nunca fui pesado, que é o mesmo dizer que durante muito tempo fui um magricela. Passei grande parte da minha juventude com 54 kg. com 1,76 m. Não sou nenhuma torre, mas não sou baixinho e portanto era magro.

Claro que os anos a comer pizzas diariamente não perdoam e um Verão, pouco antes de me casar, ganhei 10 kg. Mesmo assim, pesei 64 kg. durante mais uns anitos até passar para os 68 e passar os 30 a cortar a barreira dos 70.

Fiz trinta anos com barriguinha, o que devia ser obrigatório para todos os homens. Agora que a coisa está cumprida, não me apetecia engordar mais. Mas engordei e a meio de 2006 já estava com 75 kg. Foi então que tomei a tal decisão de queimar alguma gordura. Já tinha uma certa pança, a cara redonda e, para ser sincero, as mamas já me abanavam quando corria.

Melhorei a minha alimentação e comecei a fazer um pouco mais de exercício regular. Dia 29 de Julho comecei a registar o meu peso, sempre que fazia um treino de cardio, musculação ou gongfu e tinha então 71,7 kg. Tinha já perdido pouco mais de 3 kg, em mês e meio, o que me motivou a continuar.
No dia 30 de Outubro fui ao ginásio e fiz a minha mais recente pesagem: 66,8 kg. Conclusão: já perdi mais de 8 kg, em quatro meses e meio.

É verdade que melhorei a minha alimentação, mas ainda hoje almocei uma francesinha seguida de uma fatia de brigadeiro. O mais importante, parece-me, é o esforço que faço, o resto do tempo, para equilibrar certas coisas: muitíssimo menos chocolates (só o ocasional quando a fome é muita e a máquina da comida não tem mais nada), quase nenhumas batatas fritas, zero coca-cola e outros refrigerantes e muito menos manteiga.

Quando digo “muito menos”, quero dizer que era uma coisa que comia quase diariamente e que agora como ocasionalmente. Também cortei no açúcar, por exemplo o que ponho no café, que passou de um pacote para meio.

Tento beber, no mínimo, um litro e meio de água por dia e comer sem saltar refeições, para manter o corpo a trabalhar.

O simples facto de ter cortado radicalmente nos refrigerantes, creio que pode ter sido um dos principais factores da minha perda de peso inicial. Agora às refeições, bebo sempre água.

E o mais importante é que nada disto é um esforço. Só faço o que gosto e estou a gostar de comer melhor. Uma coisa posso dizer com absoluta certeza: nunca mais tive cólicas nem diarreia.

Tags

. . .

Deixar comentário. Permalink.

Leave a Reply